Antes de Começar...

(Serra da Estrela - GMV)

O Domingo está cinzento, um pouco frio... a chuva aparece sorrateira, de quando em vez. O cenário perfeito para quem, como eu, tem de permanecer em casa, naquela actividade indizível que é a correcção de testes.

Os meus lindinhos empenharam-se na escrita, mas, por vezes, confesso que não entendo bem o contexto de cada resposta. Afinal, o resultado rabiscado na pressa da incerteza, demonstra que nem houve uma leitura atenta. Por mais que eu explique que qualquer texto nos dá respostas, os meus lindinhos encerram no baú do esquecimento os meus simples conselhos.

Um dos textos que escolhi para este teste foi retirado dessa obra magnífica de Almada Negreiros, essa peça simbólica na descoberta do sentir que o Homem desconhece. "Antes de Começar". Ambicioso, alguns diriam... difícil, talvez. No entanto, recuso-me a fazer dos meus alunos meros fazedores de cruzes aleatórias, meros reprodutores de discursos memorizados. Há que pensar, num teste de Língua Portuguesa! Há, essencialmente, que sentir o texto. Desfazê-lo de ambiguidades. Descobrir-lhe caminhos. É uma estrada, o texto. Com placas indicadoras de percursos alternativos. A opção de virar à esquerda, ou à direita, de sair no próximo desvio, de continuar em frente, tem de ser consciente. Peço muito? (bem, os primeiros resultados dizem-me que, se calhar, sim). Mas recuso-me a ver os meus lindinhos crescer sem a possibilidade de caminharem pelos próprios pés.

A peça de Almada Negreiros é uma lição... para aqueles que não conseguem ver o Outro... para aqueles a quem pesa o Coração. Diz, às tantas, a personagem masculina de nome Boneco (!): "Só não entende o coração quem não sabe escutá-lo... Ele está sempre a contar aquela hora por que se espera... aquela hora que existe para além da sabedoria... e que tem a forma simplíssima dum coração natural!". Tão simples!

Vou voltar para as palavras dos meus alunos... com a esperança de encontrar esses corações que, envergonhadamente, se escondem na sombra da razão.

19 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Já que o domingo está tão ruim por aí, por que vc não vem ler o soneto 76 de Shakespeare que acabo de traduzir?
beijos,
Renata

"giacomo" disse...

GMV,

A urgência, algumas horas por semana, durante umas poucas semanas... que se repetirão durante meia dúzia de anos, ou menos... Antes que os corações e as mentes ganhem a carapaça que os fará ter "vergonha" do que um dia entenderam...

Como entendo o seu elogio do romantismo, em outro post... O verdadeiro, o literário e de vida, não o de pacotilha...

Que esteja bem, GMV (escreveria aqui o seu nome, não fosse a netiquette, que obriga a tratar as pessoas da forma q elas se apresentam...)

~~jorge

Paulo disse...

A ver testes? Com a razão, imagino :)

Também está frio por aqui.

Bjos, querida amiga.

PJB

Liquificadorizando disse...

"Ninguém liga pra nada, até que é atingido"

Carlo Rochas disse...

Recordo com uma certa nostalgia os semestres em que participava em formações, colóquios ou intervinha episodicamente em certas faculdades, é sempre um enriquecimento pessoal sentir que o que fazemos terá sempre uma repercussão sobre outrem. E mesmo que isso demore, terá sempre. Tenho a certeza que neste caso, adoraria os meus miúdos, sempre prontos a trocar impressões sobre o que lêem, e imbuídos do interesse de nunca se ficarem por uma obra.

Tive novidades da Serra, parece que tem nevado, lá estarei uns dias em Fevereiro. Um beijo sereno e desejos de uma excelente semana.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Traduzi mais um soneto de Shakespeare, o 22, e um excerto de Trabalhos de amor perdidos.
Não vá faltar.
Por acaso você apagou o comentário que eu deixei aqui ontem?
Renata

Paola disse...

Está uma tarde cinzenta
da cor que ninguém vê
chegou assim pardacenta
sem me explicar porquê...

Admirável tarde que eu gosto!

Beijos

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Contrariando o seu e-mail, não agüentei e vim falar-lhe que publiquei La Bohème.
É só um minutinho, vai lá e me diz o que você achou.
Um beijo,
Renata

Conde Vlad Drakuléa disse...

Graça adorada, isso ocorre sempre, alguns não mergulham no texto mesmo, não o digerem sossegadamente, mas se chamares a atenção deles, mostrando que é gostoso e divertido discorrer sobre qualquer texto, que eles realmente nos indicam vários caminhos diferentes à seguir, tenho certeza que eles mudarão de hábitos, tenha otimismo e o espírito é esse mesmo, mostrar e fazer :) É verdade, só não entende o coração quem não sabe escutá-lo, o coração fala até aos surdos-mudos sabias?
Beijocas novas, e se agasalhe bem hein?

Conde ^^

Conde Vlad Drakuléa disse...

Tu também tens muitos fãs hein? he,he,he...;)

Paradoxos disse...

vim assistir mais uma aula tua - como sempre - já sabes, tornei-me discente teu amiga querida!

beijão grande em ti!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Fiz um post de Natal aos meus amigos e a citei expilicitamente e foram poucos os citados. Quero que vc vá lá e veja.
Um abraço,
Renata
PS: Está no poemas e canções
Postei outras coisas interessantes

O Profeta disse...

Embriago-me nas tuas palavras...


Doce beijo

Nilson Barcelli disse...

O que dizes para os testes é válido, por inteiro, para os blogues.
Mas ainda há pessoas (maus alunos, por certo...) que persistem em ler mal ou nem ler antes de comentar...
Resumindo, muita gente devia matricular-se nas tuas aulas...
Beijinhos.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Por favor, você não vai desprezar o post de Natal que preparei para os meus amigos e citei você explicitamente, nem tampouco o meu post sobre Manon Lescaut de Puccini. Se fizer isso, vou ficar muito triste. E não venha ficar brava comigo nos comments.
Beijos,
Renata

MEU DOCE AMOR disse...

Informamos que a disco Chocalho abrirá as suas portas no Sábado.

O bar já se encontra aberto.

Fica o convite

Beijinho e traz amigos:)))

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Já que vc não quer comentários na postagem acima, vou falar nesta mesmo.
Traduzi mais um sonto de Shakespeare, pensando em vc. Quero que vá.
Beijos,
Renata

Vieira Calado disse...

Uma dia mando-lhe um trecho duma minha peça de teatro.

Quanto ao meu livro.
dia 13, às 21 horas, no Auditório do Campo Grande, nº 56...
Espera que a ministra não invente trabalho para essa hora (rs)

Bjs

Nilson Barcelli disse...

O post de cima não é para comentar...?
Os meus aplausos ao som da flauta, saber tomar decisões também ajuda a ser bom professor.
Beijinhos.