Ensaio na quietude...

[Luís]


Sábios silêncios, que resguardam o anseio de quietude.

Aí me encontro... permaneço, entre esse espaço onde o sonho finda e a realidade se veste de ti.

16 comentários:

Emilia disse...

Quando, na vida, a realidade e o sonho comungam na homogeneidade perfeita do ser, ter-se-à atingido o limiar da plenitude existencial na difícil arte de viver.

Saudade...!

Beijo
Emília

Maria disse...

Tão belo e calmo que apetece ficar.
Obrigada, Graça.

Marta disse...

Em que há um reencontro...
Em que se divaga....
E avançamos por entre a relva até ao cinzento da cidade...
Onde poderemos também encontrar espaços onde é possível continuar a sonhar...
Lindo, sereno...
Beijos e abraços
Marta

Lídia Borges disse...

Da permanência no limbo...
Como quem espera.

Lindo!

Um beijo

lupuscanissignatus disse...

________

apazigua
________


*excelente
foto.grafia*


*uma óptima
semana*

© Piedade Araújo Sol disse...

tao belo..tão profundo.

a foto belissima.

um beij

José Carlos Brandão disse...

A quietude é poesia. A própria palavra "quietude" é linda, quase que vale por si só um poema.
Enfim, no silêncio nos despojamos de tudo e estamos prontos para Deus ou a poesia.
Um beijo.

Rafael Castellar das Neves disse...

E que lugar...tem mais é que ficar!!

[]s

Nilson Barcelli disse...

O espaço entre o sonho e a realidade pode ser de inquietude, apesar ou por causa do silêncio. Mas a atitude sábia faz toda a diferença.
Um pequeno texto, mas belo. Gostei.
Beijos, querida Graça.

Pensador disse...

Na quietude dos nossos momentos solitários, temos mais força para trazer até nós as doces lembranças de quem amamos...
Beijos!

BRANCAMAR disse...

Olá Graça,

Já passei por aqui várias vezes, sem saber que dizer, porque o teu curto texto diz tudo, na quietude dos teus montes.

Beijos
Branca

Amordemadrugada disse...

Tão bonito Gracita!
Nesse espaço...tb se encontra a minha alma!
Espaço de inquietude e contrastante silencio!
Love the music
;)
Beso....te
;)

AC disse...

Acabei de ler o post "Encerrado".
Oxalá a encenadora encontre os silêncios certos que comprovem a existência das tais ilhas desconhecidas.

Beijo :)

Adolfo Payés disse...

Un encanto es pasar por tu blog..

Un abrazo
Saludos fraternos...

Que disfrutes de este fin de semana lo mejor.

Carlos Gonçalves disse...

Graça, encerramos tantas coisas, dizemos adeus a outras na vida, também eu encerrei um ciclo, por ironia, na terra que tanto amo:

'ADEUS [… ilusão]!


Tudo em mim é bruto, selvagem,
Semente da serra, vento, paisagem,
Origem da terra onde nasci.
Sonhei na minha serra o teu ser,
Pintei no teu corpo o meu viver,
Desvario, em louca ilusão por ti.

(Tudo na vida tem tempo e modo.
No tempo sonhei o modo da vida,
No modo perdi o tempo de amar.)

Na amargura de um desgosto,
Sinto beijos de chuva no rosto,
No orvalho das saudades de ti.
Bruma a serra este cacimbo,
No náufrago rumo de um nimbo,
Mar de lágrimas, onde te perdi.

(O adeus que eu sabia te iria escrever)

Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

Travessas, 10 de Abril de 2010'

Um beijo, Graça, tudo de bom para ti!
Carlos

Carlos Gonçalves disse...

Graça, neste espaço onde '... o sonho tem origem, numa realidade que se veste de ti...',
deixaste a porta entreaberta, entrei para dizer-te... tenho saudades tuas, querida!
Beijo.
Carlos

(fechei e abri a porta)