Ensaio com tempo...

(foto de André Sousa)


Há uma força que se arrasta, lavrando as planícies do tempo. Rasgam-se sulcos em solo árido, na pressa errante de domesticar os instantes. O arado, numa azáfama consentida, arrasa o momento. Escraviza-se a vontade à sementeira das horas. 

Há uma força que se entrega aos grilhões do tempo. Aferrolham-se os sentimentos, em ampulhetas-masmorras. O carrasco, numa desassossegada consciência, guilhotina os ponteiros. Sentencia-se o desejo à prisão dos minutos.

Há uma força que não se revolta, assimilando o vazio da ditadura do tempo.
 
Bastava descobrir a flor indomável do deserto, cortar as grades ansiosas da janela, gritar panfletos irreverentes de liberdade.

Bastava ser o rasto lento de quem quer, somente, viver... com tempo.

26 comentários:

Paola disse...

"Bastava ser o rasto lento de quem quer, somente, viver... com tempo."

Não bastava, não!Há dias que se tem pressa. Há dias em que se quer o tempo... Sem tempo para derrear as vontades.Com tempo para se ter..

Beijo abraçado

ângela marques disse...

pois bastava, Graça...

há que fazer por isso.

beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

O tempo não existe, Graça, está dentro de nós, assim como o espaço. Precisamos dessas dimensões priorísticas para viver. Porém, fazemos parte da Natureza e temos uma tendência a nos esquecermos disso. Só pensamos na sociedade. E como seres naturais, envelheçemos. É esse "tempo" que não pára, que não temos poder para deter, porque não somos dotados de meios para tanto.
É o mesmo que acontece com "Deus", pensamos deus, temos a idéia de deus, mas os humanos viventes jamais o conhecerão porque são desprovidos de meios. Por isso, não me digo mais atéia e sim agnóstica.
Então, mulher, pare de ensaiar sobre aquilo para o qual não há resposta. Suspenda o juízo e siga a sua vida, a sua carreira maravilhosa com os seus lindinhos, viva, aproveite o que tem, enquanto tem.
Beijos,
Renata
PS: Espero por você no meu canto. Vc foi ontem e saiu correndo

Paulo disse...

A sorte é que ainda vais tendo tempo de deixares por aqui estes teus ensaios magníficos. Compreendo o teu desejo de não ter pressa, de não ser escravo do tempo, de querer ser um caracol, só para contrariar! Continuas igual...

E eu tenho sempre tempo para ti, minha querida

Beijos, Graça


PJB

São disse...

E, no entanto, há outro tempo.
Que, conscientemente, nos sonegaram.
Um bom fim de semana.

o que me vier à real gana disse...

Como eu compreendo melhor o tempo atmosférico! Do outro, sei dizer-se, por aí, que passa... Sei porém, e isto com certeza plena, k, como diz o Fado que meu pai acompanhou ao baixo tanta vez, nós é que vamos passando.

Bj de graça para a Graça eheheh

O Profeta disse...

Este tempo sem tempo...


Doce beijo

preto [e] branco disse...

Quem faz o nosso tempo somos nós e, é por isso que nunca nos chega para nada. A noção de "tempo" não a valorizamos. Tudo queremos ... agora.

Foto de sonho a combinar com as palavras "rasgadas" em tempo.

bj...nho

© efeneto disse...

Bastava ser o rasto lento de quem quer, somente, viver... com tempo.

Pois basta, lentamente.
Jito de amizade depois de restabeleçido (novamente).

Anónimo disse...

força do que fica....no tempo que se arrasta. casa.



ensaio para o sentimento.




beijo.


Graça.





.piano.

© efeneto disse...

Tenho palavras que te procuram,
que se acendem nesta existência suave;
palavras para seguir caminhos,
para te abrir os dias;
palavras partículas de fogo
que acarinho para os momentos precisos
nos seus puros abandonos;
palavras verticais como chamas,
que te chamam na procura,
mais claras que o dia.
Com palavras de lua e de vento
invento veredas de palavras
que adoçam os silêncios
e explicam as madrugadas.
Palavras que só a ti direi.

Palavras que servem para dizer que irei voltar aos poucos á vossa companhia.
Um fim-de-semana cheio de amizade e palavras

Brancamar disse...

E como o dizes tão bem, Graça! Como descreves de forma tão exemplar esse carrasco que nos persegue, por isso hoje gritei "panfletos irreverentes de liberdade" e a caminho de casa desviei a rota, não me importando com horas, com quem esperava, (que bem podia esperar mais uma hora) e parti com a filha em busca do mar e do rio e da beleza sempre renovada entre as duas margens, num estuário lindíssimo, classificado como reserva natural, zona de descanso para diversas e lindas espécies de aves migratórias, estação de abastecimento e recobrar de forças para outras paragens.
De vez em quando farto-me de ser "responsável" e pouso o espírito na ruptura da rotina, no olhar para o interior de mim, na reflexão dos dias e das horas que não sobram para tudo o que gostamos, mas faço um constante esforço para que sobrem.
Sem esse esforço a vida não teria sentido.

"Bastava ser o rasto lento de quem quer, somente, viver... com tempo."

Maravilhosa a expressão deste teu sentir.
Basta que façamos um esforço todos os dias, para pelo menos termos essa consciência de querer VIVER, com tempo.

Beijinhos.
Com muita amizade
Branca

Conde Vlad Drakuléa disse...

O tempo as vezes pode ser amigo, as vezes carrasco... De qualquer forma, sempre temos que entrar em um acordo com ele infelizmente!
Beijos adorada e querida! Te adoro muito :***

Babi M.S. disse...

tem se tem po, não tem se tem po!É necessário saber TEMPERAR a vida.

Até
smack!

A.S. disse...

Liberta todos os sentidos, todos os desejos, todas as sensações! Liverta cada grito sufocado na garganta!... VIVE...


Beijos!

Gusto Vibe disse...

Ando com tempo, quando o tempo tá bom. Sem pressa, sem hora pra ir ou voltar. E viver intensamente... com o mesmo tempo.

Vibrações Inteligentes...
Lindo texto...
Abraços...

Gusto

Paulo - Intemporal disse...

há um rasto imprescindível nas sílabas que vogalizas agora em tom maior.

há um rasto vertical em ti, em plena ascensão.

pur.íssima a prosa poética.

sublime o teu verbar.

a______m______e_____i

.

o teu beijo de boa tarde, Graça.

Jorge Vieira Cardoso disse...

"deixei" de entreter palavras, sou carrasco de uma vida ceifada por acontecer, na prisão dos minutos, letal é o tempo que ceifa o silencio onde me abstenho no indomável deserto e bastava ser só o rasto lento de uma vida que queria apenas viver!

aproveitei as tuas doces palavras para me proteger do frio, enquanto vou no espelho de un retrovisor misturando fugas numa estrada de fissuras!

vou tentar sorrir...
Atá breve...se calhar!

beijo terno que pinga no chuvisco de um pára-brisas humedecido pelas intempéries de uns olhos chorões.

Vieira Calado disse...

Bem interessante, este seu texto, amiga!

Beijinhos

f@ disse...

Olá Graça,

A passo de caracol atrás da lebre…

Serenar ansioso dos passos dos dedos que soltam os pulsos dos relógios internos… tem po de a lento o ponteiro das horas…
em segundos sempre ás voltas transpõe todos círculos invisíveis…

Imenso beijinho

lupussignatus disse...

*fazer

do tempo

um tempo

germinado*

Tchi disse...

Basta querer viver.

Beijinhos.

JotaSP disse...

__________________ como o rasto lento de uma árvore arrancada do céu______________________


beijinhos, querida graça «««

Nilson Barcelli disse...

Pois bastava...
A nossa incapacidade de viver ao ritmo do tempo é notória.
Querida Graça, o que escreveste é poesia. E magnífica. Gostei imenso do teu modo de olhar o tempo, isto é, gostei da tua proposta de relógio...
Boa semana, beijo.

Emilia disse...

A intemporalidade do tempo é uma questão sem controvérsia. Criámo-lo e organizámo-nos mas dele ficámos escravos. Vivemos ao seu ritmo e é sem dúvida "um grande mestre" mas cobra-nos em dedicação e Tempo... E é tão curto o tempo de uma vida! O segredo é viver intensamente cada um dos seus únicos e irrepetíveis momentos, ainda que a cumpprir o que nos dita, pois... mesmo que a Terra girasse ao contrário, não conseguiríamos inverter-lhe os efeitos.
Beijo amiga-poeta (que diz não o ser)
Emília

Tchi disse...

Todo o bastante é pouco.

Obrigada. Sempre. Por abrires cortinas de palcos tão reais.