Ensaio pela palavra... [antes de o ser]




Cenário despido de adereços fúteis. Palco difusamente iluminado a verde esperança. No centro, imponente, um tronco de árvore. Duas personagens [sempre duas], uma em cada canto da boca de cena, olham o tronco, num silêncio respeitoso. Fim da didascália, de mais uma cena do absurdo.

UM - Talvez um dia haja forma de saber, porque o canto dos pássaros se pintou de ausência...

OUTRO - Talvez se possa descobrir onde se enraizaram todos os sonhos a haver.

[silêncio]

UM - Sentiremos, nesse dia, que o tempo não escorrerá pela ampulheta dos dedos solitários; que os dias amanhecerão, no eterno retorno de rasgos de felicidade; que a brisa suave apagará todas as marcas de memórias magoadas, dessa pele sedenta de vida.

OUTRO - Talvez o rio se embriague, no sorriso das folhas perenes... vigilante, no cântico doce de prazeres anelantes.  Talvez tenhamos de mergulhar de novo no desejo de ser.

UM - Aprenderemos, então, a desencarcerar todos os sentimentos cativos, pelos grilhões resistentes de quem não quis acreditar. Procuraremos a ara genuína, onde se resguarda a dádiva do amor. Seremos... um e outro, num futuro plural, num espelho inquebrável e natural, ramos férteis e frondosos de nós.

[silêncio]

OUTRO - Talvez falte algo...

UM [levanta-se, devagar, e dirige-se ao tronco que abraça, num sorriso] - "Talvez tenhamos de [nos] repetir à exaustão, pela vida fora,/ no oco dos troncos onde residem/ todas as cirandas de sol e pedra,/ antes de ser palavra".

Cai o pano.

[entre aspas, versos de Mel de Carvalho]

22 comentários:

Braulio Pereira disse...

olá querida amiga


vim dar-te beijinhos

ver-te.. leer-te

e desejar-te um feliz verao.


boas ferias.


beijos flor!!!

Marta disse...

Por vezes, fica-se com essa sensação de que falta algo....mas que não se percam os sonhos e as palavras que os iluminam...
Lamento pela tua avó; o meu Pai também me deixou mergulhada numa saudade sem nome....
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Lídia Borges disse...

O "eterno retorno" que faz do homem um viajante permamente e permanentemente insatisfeito pela ideia obsessiva de auto-superação.
Superaste-te aqui... para nosso deleite.

Obrigada!

Um beijo

BRANCAMAR disse...

Querida Graça, voltaste, que bom!

Voltaste quando eu parti, mas nunca partirei daqui.

Mais um ensaio teatral, na busca dos personagens reais, numa forma só tua de entrelaçar as palavras e a vida.

Beijos
Branca

Canto da Boca disse...

(Graça, que esplêndido! Senti toda uma construção shakespeareana. Um beijinho!)

AnaMar (pseudónimo) disse...

Sonhos enraizados nos corações: de UM e de OUTRO.

Poesia puro deleite nas tuas palavras, que hoje resgato, para me fazerem companhia.
Um beijo

Filoxera disse...

Como tantos na vida, também este "talvez"...
Um beijo.

N. Barcelli disse...

Só acreditanto se pode aprender a libertar os sentimentos...
Belíssimo texto, gostei imenso.
Beijo, querida amiga Graça.

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre perco-me em cada letra...divago e quase que me sinto nesse palco...que afinal é a vida que nada mais é que um talvez.

Deixo o meu beijinho
Rosa

Mel de Carvalho disse...

Gracinha,
cada ensaio teu, e mais me convenço de que existem pessoas de quem a mão invisível do destino me faz grata.
O futuro, Gracinha, é sempre plural e, dessa pluralidade nos tecemos antes que sejamos palavra ...Obrigadaaaa... :)

Um beijo, o meu carinho, daqui, "um não lugar" onde a palavra morde o infinito de um tempo "Oceano mar", a quem chamo meu, e que me responde em chuvas de neblinas a molhar-me todas as palavras ainda por inventar.

Mel

N. Barcelli disse...

Querida amiga, bom resto de semana.
Ou boas férias, se for o caso...
Beijo.

Ana disse...

Aplausos ! Porque no teatro do mundo, há actores que só cantam a Beleza.
Beijinho para ti, Graça *

sideny disse...

Olá Graça

Gosto de ler-te e ver o teu palco:))

beijinhos

Pensador disse...

Talvez, apenas talvez, a água límpida e nutritiva de que são feitos os sonhos, possa regar as raízes desta árvore.
Talvez, apenas talvez, assim regado pelos sonhos, este tronco seco possa produzir um pequeno broto de esmeraldina esperança.
Talvez, apenas talvez, Um e Outro possam perceber que não é necessário que se repitam à exaustão. Que bastava apenas perceber que os dois, na verdade, são um.
Beijos!

AnaMar (pseudónimo) disse...

a aguardar mais palavras que me libertam.
beijo

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Krasivo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs

Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.

Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Fernanda disse...

Neste palco, a natureza e as palavras fizeram o seu papel de forma sublime.
Simbiose perfeita.

Felizmente hoje
"Um pressentimento
Doce,
Terno,
Quente,
Percorre o meu corpo
Enche a minha alma."
Conheci-te.

Entre aspas, versos de Maria José Areal.

Beijinhos

Virgínia do Carmo disse...

Que bom entrar e descobrir os lindos versos da Mel tão bem "ensaiados" por ti, Graça:))

Beijinho!

Com ou Sem conclusões disse...

Para uns faltam adereços. Para outros os sobra. Imagino que seja duas divindades.

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando apenas para oferecer o selinho de 2 anos de blogue e dizer que sem o carinho de todos que me seguem e comentam não chegaria aqui, por isso esta comemoração é vossa.

Beijinhos com carinho
Rosa

sant'ana disse...

que bom te rever
te ler.


adorei


bjos

BRANCAMAR disse...

Afinal também voltei Graça e de vez em quando venho ver este cantinho, à espera de ti.

Beijos