Ensaio para mim...

[Luís]


Não há nada mais constante na vida do que a própria inconstância... Cito de cor, que me perdoe Swift.

Hoje, ao entrar nesta silenciosa representação de mim, senti o aroma triste da nostalgia, repassando do vazio do palco. Revisitei alguns momentos aqui gravados... das minhas aulas, dos meus sentires, dos meus desejos, dos meus ensaios verdadeiros, com os meus aprendizes da arte da dramatização.

Ao longo de um ano, a vontade de aqui estar foi-se esvaindo. Tive consciência de que o meu palco se bifurcara algures, entre a constância dos dias breves e a inconstância dos actores que foram entrando na minha peça. Não soube escolher... de repente, percebi que me deixara para trás. E isso era muito mais do que podia representar. Afinal, a cadeira de encenadora era minha. Apenas minha. Só eu poderia reescrever todas as cenas fracassadas, mudar as deixas gastas e repetidas à exaustão, apagar todas as saídas de palco.

Hoje, ao entrar no meu Teatrices, deu-me uma vontade imensa de sacudir o pó de todos os sonhos, acender os projectores do porvir e rasgar o pano dos dias falhados. Recomeçar ao meu jeito, na certeza de que me tenho sempre por perto, pronta para me estender a mão, sempre que o vazio se apertar nos meus dedos.

[Fora de cena, quem não é de cena e que se reinicie a peça.]





30 comentários:

Ana Teresa Alves disse...

Que bom Graça que voltastes ao teu palco.
Que se reinicie a peça!

Beijos.

Carlos Gonçalves disse...

Graça, fui um dos teus aprendizes (já não te recordas de mim), um actor inconstante, perdido no tempo, e, consequentemente, falhado.
Agora que recomeçaste os ensaios vou ficar nos bastidores, fora de cena, invisível, para não perturbar os actores, na certeza, de que assistindo às tuas peças, até eu, que sou sombra, aprendo!
Beijo na encenadora. Felicidades para os ensaios, para as representações, nesta nova temporada.
Carlos

A.S. disse...

Graça,

Escreveste em páginas de sonho, as mais belas viagens da ilusão. A representação no palco das emoções que transitavam das palavras à boca. Experimentaste poemas que levitaram sobre a plateia. Lançaste o choro, o riso, o prazer, a vertigem, nas sombras dos camarins, como fantasmas sem visita guiada. Acendeste pequenas certezas, nos cenários, com talento, aplauso, comoção. Acendeste caminhos de voo. Acendeste noites virtuais com a luz instável de velas que teimosamente conseguiram resistir para poder ver o desfecho da peça. Acendeste também, algumas vezes, o desespero dos personagens. Porém, no rumor do intervalo, suspendeste os actos. O sono na caixa autista do ponto. Observaste por detrás do pano o tempo crescendo em nós. Sentiste-te então, seguramente actor!
Fico feliz por voltares a sentir essa vontade imensa de sacudir o pó de todos os sonhos, reacender os projectores, dar nova vida às personagens que recriaste com prazer. Recomeçar ao teu jeito. Ter-me-às por perto sempre que o vazio se apertar nos teus dedos. Sempre foste a “minha” encenadora!

Que se abra o pano!

Beijos!
AL

Graça disse...

Que bom receber-te no meu 'palco', Ana. E logo a primeira, nesta reabertura! Obrigada, minha amiga.

Beijo meu.

Graça disse...

Meu querido Carlos, não fiques nos bastidores :). Gosto, sempre gostei, de te ter no meu palco.

Beijo de carinho. E volta.

Graça disse...

Albino, as tuas palavras foram as mais belas que algum dia alguém escreveu sobre o meu 'palco'. Sempre me soubeste ler! Obrigada, meu querido amigo.

Beijo de carinho.

Carmo disse...

Querida Graça,

Apenas uma palavra: Obrigada

Um beijo

Boa semana

Mel de Carvalho disse...

Sabe, Graça, sou novata no seu palco, mas menos nova no palco da vida. Na blogoesfera desde 2006... Também eu, em certos momentos, tive tentada a sair de cena, deixar de publicar (não de escrever, porque isso, é-me visceral). Aos poucos os meus blogs (prosa e poesia) foram ficando "desertos"...
mas fui ficando. E sabe porquê, Graça?
Porque fui conhecendo aqui pessoas que me acrescentam. A Graça é, sem dúvida, uma delas.

Um beijo com carinho
Mel

Graça disse...

Querida Carmo, obrigada, eu, tanto, por estares.

Beijo de carinho.

Graça disse...

Mel, o sentimento é recíproco. Ontem, fui ler o seu último texto. Se algo vale a pena, nesta blogosfera, é conhecer quem trata as palavras de uma forma única, como a Mel. Vamos ficando, então... pelo amor à escrita.

Beijo de carinho e bom resto de domingo.

Lídia Borges disse...

Uma excelente decisão!
Estou de mal com as minhas "searas" (acontece a todos), mas a tua volta é mais uma luz que me atrair-me, aqui.

Um beijo

Graça disse...

Obrigada, Lídia, pelas palavras e por estares. [acontece, sim]

Beijo e boa semana

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Pois que se reinicie, Graça, num teatro cujo templo é nosso e de ninguém, porque intemporal, onde actores e encenadores e cenas e público e palco se confundam neste tântrico hino da vida, com a certeza, porém, de que "me tenho sempre por perto, pronta para me estender a mão, sempre que o vazio se apertar nos meus dedos".

Obrigado, Graça, pelo deleite dos teus posts (que não sã, obviamente, posts) que só agora revi num blog (que não é um blog)que nem tinha adicionado e por onde passara julgando tê-lo feito.

Embalado na música que deixas e na redescoberta do espaço, caramelizado por tão belas palavras e citações, deixo-te também eu um beijo carinhoso e amigo.

Graça disse...

E como fiquei feliz, Daniel, de te encontrar também aqui!

Meu querido amigo, um beijo imenso de carinho e boa semana.

Pensador disse...

Graça,
Muito me alegra a sua volta a este palco.
Que as cenas que menos tenham agradado a você possam ser reescritas, de modo muito melhor, é desejo sincero deste seu amigo do outro lado do mundo.
Lendo seus dois posts, me veio à cabeça uma música, posso estar enganado, mas a letra, ao meu ver, diz algo que tem a ver com este seu momento: Encontros e Despedidas, De Milton Nascimento, na voz da Simone.
Beijo!

Mar Arável disse...

A cadeira é tua?

A cadeira e o palco inteiro

nunca te esqueças
eu sempre aguardo
na minha escarpa
para saber quem és
e já és tanto

Perdoe o desaforo
estimada amiga

Graça disse...

Meu querido Pensador, saudades vossas. Hei-de passar no seu canto.
Obrigada, pela música. Um cais de despedidas... de encontros... é assim a vida.

Beijo de carinho.

Graça disse...

Perdoar? As suas palavras, E.,são sempre bem-vindas, aqui, e lá.

Beijo de carinho.

Canto da Boca disse...

Pois que assim seja! Seu palco é seu palco, ainda que em alguns momentos você se perca e perca os desenhos de cenas, és a rainha desse palco, e nós, seus súditos; porque a cadeira e o destino da peça, são seus e nós seus espectadores, e te aplaudimos e por cá sempre estraremos a te prestigiar.

Deixo beijo, Graça!

Ana Teresa Alves disse...

querida Graça, muito obrigada pelo teu último comentário nos meus simples versos. devaneios meus apenas... não o mereço. eu é que digo...um dia gostava de escrever como tu!!!

beijinho da amiga
Ana Teresa

Maria Costa disse...

Gostei de ler.

Obrigada.

BRANCAMAR disse...

Querida Graça,

Só hoje me apercebi que reabriste o Teatrices. Com saudades algo me fez procurar este espaço que pensei fechado para sempre.
Foi com alegria que voltei a entrar nesta plateia para assistir a novas peças. Também eu tenho andado um pouco arredada na blogosfera, em falta com muitos amigos, que me perdoem, por questões pessoais e de tempo, mas também de ânimo. Ver de novo por cá velhos(as) amigos(as) é uma força maior.

Obrigada Graça porque ao fazeres este ensaio para ti, também o fazes para nós.

Beijinhos, com carinho.
Branca

Graça disse...

Obrigada, Canto da Boca, pelas palavras. Sabe-me bem, voltar aqui e reencontrar-vos.

Beijo de carinho.

Graça disse...

Ana, não vamos trocar elogios, certo? Obrigada, tanto, por estares aqui.


Beijo

Graça disse...

Maria... um prazer tê-la aqui.

Obrigada e um sorriso :)

Graça disse...

Minha querida Branca, estou voltando, aos poucos, o tempo é tudo o que dizes... e o ânimo tem dias :).

Beijo imenso de carinho e saudade.

Anónimo disse...

Gosto muito do seu "espaço" não o abandone, as palavras são o espelho do pensamento e, quantas vezes, do sentimento.

Um abraço!

Joaquina

(deixei aqui um outro comentário com a minha conta Google, mas deve ter-se perdido nos bites. Este fica sem conta...)

Graça disse...

Obrigada, Joaquina, pelas palavras [que são tudo isso que disse...], pela presença.

Beijo.

Sofá Amarelo disse...

Beijinhoooo!

Gosto da música! Muito!

Graça disse...

Beijinhoooooooooooo, Alexandre. :))