Ensaio verdadeiro [repetido no sentir...]

[Graça]

A representação, por este palco, faz-se também de peças naturais. O pano fecha-se, gasto dos actos maiores, burocráticos e monótonos. A plateia esvazia-se, indiferente ao climax do enredo... os projectores apagam-se, cansados de tanta artificialidade. Fico eu. Num entreacto.

Posso, finalmente, encenar a distância que medeia entre o fim e o princípio, por esta ordem, porque a verdadeira. Construo, então, avidamente uma peça de cenas soltas, quadros aleatórios, personagens sem papel definido, em teatros por inventar. Abdico do ponto, dispenso contra-regra, ignoro as vozes que me chamam dos bastidores.

Alinho, num desalinhavo de sentir, as falas que suportarão cada deixa. Falas curtas, projectadas em vozes aladas... falas absurdas, propagando certezas num anfiteatro sem velário. Sai a trama, urdida em fios de palavras soltas... uma pausa... uma estrada... uma casa... um jardim... um sorriso... uma hortênsia... um segredo... um monte... um silêncio... um céu azul pleno do teu olhar... um desejo. Nasce a peça... no anseio de outras representações.

Neste palco verdadeiro... subo o pano, na saudade desse intermédio de mim.

29 comentários:

Lídia Borges disse...

Lindo como sempre"

Que falta faz "uma pausa... uma estrada... uma casa... um jardim... um sorriso... uma hortênsia... um segredo... um monte... um silêncio... um céu azul pleno do teu olhar... um desejo."

Boas Férias.

Mar Arável disse...

Palcos verdadeiros

também são os inventados

Bjs

█► JOTA ENE ◄█ disse...

ººº
Passei p'ra te desejar bom fim-de-semana e dizer-te que adorei a foto.


Bjoooooooo___incongruente

mixtu disse...

o palco
actores
verdadeiros... os palcos
os actores... nunca o são :)

abrazo serrano

Amordemadrugada disse...

Maravilhoso, como sempre, Gracita
Bom fim de semana minha querida
Besito doce em si...
Luzinha branca
;)

BRANCAMAR disse...

São lindas as tuas hortênsias!
Hoje vim só para deixar um abraço neste palco de sentires em férias intermédias?

Beijinhos
Branca

AFRICA EM POESIA disse...

GRAÇA
Feliz por te ver de regresso...

Agora a...Notícia...

Estou quase a caminho de Alvalade no principio da semana confirmo mas está preparada a sessão de autografos para dia 18 de julho,QUANDO DA APRESENTAÇÃO DA EQUIPA.

Queria muito ter muitos amigos...e tu especialmente.

beijos

FUI ASSIM...



A criança que eu fui
A criança que tu és...
A felicidade que eu tive
Quero que tu a tenhas...
O mimo que eu recordo
Quero que tu recordes...
O amor que sempre
Esteve comigo...
E preencheu a minha vida
Eu quero meu menino...
Que sempre te acompanhe
E que nunca te falte...
Pois assim...serei feliz!

LILI LARANJO

Paulo disse...

Um ensaio repetido, porque o sentir também o é. Minha querida, tantas saudades tuas. Quando vens cá?

Beijo magnífico em ti, e quero saber tudo de Praga.


PJB

Vivian disse...

...há que se saber usar os intervalos para revigorar
a alma de intensos sentires,
e assim no regresso enfeitar
o palco atos de encantamento.

Graça amore mio,
eu adoro quando a encontro
lá em casa com palavras sempre
tão doces!

meu beijo desde um Brasil
com frio...

sideny disse...

Olá Graça

Feliz por ter voltado, espero que as ferias continuem a ser boas:))

bom fim de semana para si também

beijinhos

Marta disse...

Como sempre, um texto delicioso...
A abertura de uma nova época, o encenar da mesma peça, talvez, mas de um outra ângulo, com uma outra voz...
Ou uma nova peça para redescobrir com o público....
Desde que a alma voe...
Beijos e abraços
Marta

São disse...

Bem regressada sejas, que já tinha saudades desta tua escrita, linda!

A foto, que é bonita, me fez recordar os Açores, paraíso na Terra...

Um abraço graaaande.

Everson Russo disse...

Nesse palco da vida,,,o que mais queremos é amar e amar,,,beijos querida,,,otimo final de semana,,,adorei ter voce de volta....

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Excelentíssima Senhora Doutora Dona Graça Vaz

Venho, por este meio, despedir-me ad eterno de Vossa Excelência, que tive a ousadia de pensar que era minha ilustríssima Amiga.

Mas, erros meus, má fortuna, andor ardente, a esperança que me enfunava as velas da alegria, esfumou-se, nem tendo chegado a ser como a brisa passageira.

Infeliz que sou, infelizmente, porque a infelicidade é irmã da infidelidade, tomo esta atitude que me deixa em pranto no mais recôndito da minha alma pesarosa.

Não tenho outro caminho. Vossa Excelência Senhora Doutora, com o seu desprezo, deixou-me na escuridão mais profunda e densa, obnubilou-me os sentidos, sentidamente. Homiziado, até. Ostracisado, quiçá.

Foi, pois, chegado o tempo de abandonar os bastidores deste palco onde Vossa Excelência é a estrela refulgente.

Perdoe-me Senhora Doutora o tempo - certamente precioso - que lhe roubei. Seu, para sempre, este desditoso que toma a liberdade de enviar a Vossa Excelência o derradeiro queijo, de Serpa

Sem outro assunto,
De V.Ex.ª att. vedor e obgd

Eu próprio, o mesmo

Graça disse...

Que tareia, Henrique! :))

Por isso o adoro.

Beijo meu.

Canto da Boca disse...

Teatrices é a certeza de sempre belos e esplendorosos espetáculos!

Um beijo grande, minha querida, doce e terna Graça, e desejos para um final de semana feliz como mereces!

;)

meus instantes e momentos disse...

que bela foto, que ótimo texto.
Que bom vir aqui.;
Maurizio

© Piedade Araújo Sol disse...

A vida por vezes é um palco.

belo texto.

bela foto!

boa semana e um beij

Sofá Amarelo disse...

É na distância que medeia entre o princípio e o fim que se desalinhavam os sentidos quando se encena a distância desse palco verdadeiro que é a saudade de nós e das cenas soltas ....

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Tô eu aqui, querida!
Bonito intervalo, amei!
Que bom vir aqui.
Que bela foto.
Renata
Beijos pra ti!
Até já:)))

Everson Russo disse...

Uma semana muito linda pra ti amiga...beijos.

. intemporal . disse...

.

. que se repitam sempre e também os dias para a frente .

.

. simples.mente aqui . e akoli . :) .

.

. bem.regressada.querida.graça .

.

. beijo teu .

.

Ana disse...

Quem pode dizer o que é verdadeiro e o que é representação?
A vida é uma peça que não admite ensaios!
Vive-a com a intensidade com que escreves!

Um beijo, Graça *

José Carlos Brandão disse...

..."num desalinhavo de sentir..."
"Neste palco verdadeiro..." Estou a sentir a presença de Fernando Pessoa. A incorporação de uma poesia forte.
Beijo.

BRANCAMAR disse...

Olá Graça,

Voltei porque cansada de muitos caminhos percorridos por estes dias, pousei mais hoje o meu olhar sobre as tuas flores e os belos montes que se avistam da tua varanda e que penso conhecer.

Gosto especialmente dos parágrafos finais do teu texto, onde se sente que existe muito de ti, nesse paraíso que é o teu, entre montes, onde TE ENCONTRAS.

Beijinhos
Branca

margusta disse...

Querida Graça,
...e , esta noite apeteceu-me andar por aqui...
Gosto de te ler assim, aqui neste palco, plena de sentires.

Um beijinho de carinho e amizade,
Margusta

Amordemadrugada disse...

Txi Gracita Maria lol!
O Senhor Henrique...Vou-te contar...Ihihih
Que testamento amiga minha lolol
Amo tu...sabias!?
Um besito na ponta do teu delicado nariz ;)
Boa semanita ;)

AC disse...

Então a essência está no entreacto, no tal "intermédio de mim"...
E onde entram os outros? Serão apenas acessórios?

Gostei muito!

Nilson Barcelli disse...

É preciso que nasçam novas peças, novas representações.
É a vida...
Beijos, querida Graça.