Ensaio reescrito [no sentir das palavras]...

[Graça]


Entrou, sem pressa, na sala vazia e atravessou a plateia, envolta na escuridão... a mesma com que lhe pintaram os pensamentos, naquele dia.

Subiu ao palco e contemplou as cadeiras ordenadas, desprovidas do calor do público. Não pretendia assistência. Desejava apenas reencontrar-se com o que fora... dispensaria adereços falaciosos, cenários prováveis e nunca reais. Prescindiria de "falas" gastas, na repetição de uma peça sem criatividade, ornada de palavras que só magoavam...

Fechou, então, o pano e, na segurança da solidão dos bastidores, procurou o seu Poeta. Porque, por vezes, precisava do saber-dizer de um poeta... quando sentia que o mar, fugidio e teimoso, insistia em esconder o cais, onde sempre quisera aportar; quando se gastava em ondas de sentimentos que nenhuma rocha compreendia; quando, no adensar das nuvens, tentava vislumbrar um farol de entendimento; quando o vento, disfarçado de doce Zéfiro, lhe soprava, do alto da serra, imperativos adversos ['que se rasgue o sonho'].

Procurou o seu Poeta, não um poeta qualquer, não um vendedor de sonhos lacerados, ainda antes de poderem ser sonhados...o Poeta. Abriu o seu livro, como sempre fazia, ao acaso. [Não são as palavras acasos de coincidências da vida?] E lá estava o seu sentir, retratado letra a letra:

"O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço." [Álvaro de Campos]

Simples, tão simples! Reconheceu-se: cansada! Fechou o livro. Regressou ao palco e abriu o pano, num sorriso pleno. Estava pronta para recomeçar, noutra peça, talvez, onde as palavras a fizessem feliz!

25 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Graça,

Lembrei-me de Camus: persistir contra todas as perspectivas. Apenas porque é certo. Todas as respostas dão errado, no entanto é preciso ocntinuar. Um difícil humanismo. Sem fé nenhuma, crer no impossível. O homem é impossível? Crer no homem.

Um beijo, com carinho.

lupussignatus disse...

ditas assim

as palavras

não cansam


[porque nos
enlaçam

porque nos
regeneram]


*um prazer
renovado
re.ler-te*

Carmo disse...

Palmas para si, Graça. É excelente!
Não precisa de público, mas aqui estou eu a ouvir , neste caso a ler as palavras da Poeta-Actriz.

Um beijo
Bom fim de semana

BRANCAMAR disse...

Querida Graça,

O teu poeta vem também ao meu encontro.
Cansaço era tudo o que sentia e me pesava ontem...hoje renasço para novos ensaios.

E deixo-te beijinhos.
Branca

. intemporal . disse...

.

. pudessem ser assim também aqueles que têm o dom da criação .

.

. mas a humildade é contrária à cegueira, onde só o corpo se eleva .

.

. no vazio .

.

. bel.íssimo .

.

. um beijo, Graça .

.

Lídia Borges disse...

Nada como o dizer do Poeta para acalmar ventos e tempestades.

Descansa ainda!
Outra peça virá... Outro (re)começar e são tantos os (re)começos de que a vida se faz que temos de estar sempre "em forma".

Um beijo.
Muito bom poder ler-te...

Gil Moura disse...

Queridos amigos

Depois de algum interregno nas visitas e comentários nos vossos blogues, por motivos de ordem pessoal, aqui estou de novo a visitar os vossos cantinhos como merecem.

Desejo um resto de domingo bem passado, e uma semana plena de paz, amor e felicidade.

Beijos e abraços

Mário

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Minha amiga, venho dar-lhe um tchauzinho, porque não sei quando volto. Não estou bem. Desejo a si e aos seus tudo de bom*
Até já e muito obrigada.

Já chorei vendo fotos e ouvindo música;
Já liguei só para ouvir uma voz;
Me apaixonei por um sorriso;
Já pensei que fosse morrer de saudade;
E tive medo de perder alguem especial... (e acabei perdendo)
Já pulei e gritei de tanta felicidade;
Já vivi de amor e fiz muitas juras eternas... "quebrei a cara muitas vezes!"
Já abracei para proteger;
Já dei risadas quando não podia;
Já fiz amigos eternos;
Amei e fui amado;
Mas tambem já fui rejeitado;
Fui amado e não amei...
Charles Chaplin
Renata

sideny disse...

Olá Graça

Venho deixar um beijinho e desejar uma boa semana,com descanso:)

Amordemadrugada disse...

renascer é sempre bom Graça
boa semana amiguita
besito doce

Duarte disse...

A vida é uma sequência de começares... o mau será no momento em que falte esse espirito de luta.

Gostei, e muito.

Reconhecido

BRANCAMAR disse...

Hoje estou do contra e sinto apenas leveza, leveza por tudo e por nada, leveza que te trago e espalho aqui no teu palco, no silêncio das palavras por dizer...plenas de sentido e vida.

Beijinhos de mar.
Branca

São disse...

Gracinha, espero voltar a encontrar-te seja em que palco for e com toda a brevidade...

Um abraço de estima, com saudade.

Nilson Barcelli disse...

Um ensaio dos sentidos.
Gostei, como sempre, querida Graça.
Beijos.

Canto da Boca disse...

Eis o sentido de um palco para um artista: interpretar e atuar, e novamente aplausos, cair o pano, cochia e a vida segue, além-cortinas!

Beijos!

Marta disse...

Há sempre um poeta favorito, há sempre um poema que nunca esquecemos e nos acompanha...
E se sentimos vontade de recomeçar do zero, tanto melhor....
Belo o teu ensaio, Graça
Beijos e abraços
Marta

maria disse...

Oi, querida! O que há em mim é cansaço mesmo! Lindo ensaio*
Que imagem!
Apareça, linda!
Saudade de ti*
Beijos*
Renata Maria

Carlos Gonçalves disse...

Graça, estava a ler este teu ensaio, belo como sempre, olhei para o lado para uma poesia que publicas de A.S., uma frase ficou na minha memória: 'breve é a memória/que passe e esquece/...'.
Nada mais li, nada mais vou escrever, apenas deixar-te um beijo, doce, claro.
Carlos

Maria Valadas disse...

Querida Graça,
Mais uma narrativa que fez imperar os meus sentidos de orgulho ao ler-te.
Não há dúvida que és uma Excelente escritora e actriz.

Lamento os dias em que não podia visitar-te... mas, estive a ler os últimos posts ( como sempre o faço).

Beijinhos para ti, minha querida.

Maria

Gil Moura disse...

Querida amiga

Como sempre, um belíssimo texto!

Um bom resto de semana

Beijinhos

Gil

rosa-branca disse...

Querida Graça, nem sempre a farta plateia faz os artistas felizes. É preciso de quando em quando, um poco de sossego... até mesmo de solidão. Têm que se encontrar... é a constante procura de si mesmo. Cansaço?... Cansada querida amiga, mas sei que feliz. Fechou o pano mas irá abrir com novos talentos, novas descobertas e uma constante procura. Que a nova peça e as novas palavras te façam feliz. Beijos muitos com todo o meu carinho

A.S. disse...

Querida Graça,

Este teu notável ensaio revela-te no que de mais sublime existe no sentir das palavras. O seu fulgor solfeja-me nas entranhas, entoa-me um grito em labaredas, como se eu procurasse em ti o meu próprio acordar...


Um beijo em ti... Poeta!
AL

Pensador disse...

Uma das melhores coisas de voltar à net é poder ler os seus ensaios, Graça.
Beijo!

Sofá Amarelo disse...

O sentir de palavras feitas muitas vezes é um sentir desfeito... desfeito de palcos que atravessam sorrisos e de nuvens que escondem faróis...

AnaMar (pseudónimo) disse...

Soubesse eu inventar palavras que te fizessem feliz........

....apenas te digo
o cansaço acontece quando algum receio aparece, numa espécie de travão que nos faz parar para recuperar energias.....

Sim, continua, (n)outra peça.

(como fazer-te acreditar que a vida é demasiado curta para os sonhos que nos propomos realizar?)

Um beijo e um sorriso feliz