Ensaio pelo adeus [num voo inevitável]

[Luís]


Pelo palco escolar, os dias já segredam a inevitável despedida. A um mês das últimas aulas, os meus lindinhos aproveitam qualquer contexto para falar desse dia. O último. Esse que, nas contradições próprias da existência, desejam e não desejam. Será um voo, ainda de asas acanhadas.

Quando chegaram à minha vida, traziam a inquietude de quem não quer ser criança, mas ainda não é tratado como um adolescente. Vi-os crescer, durante três anos, literalmente "adolescer". Comigo partilharam as dúvidas da mudança, as lágrimas de dor, de raiva, as primeiras paixões, os problemas que não esperavam, mas acontecem. Deram-me sorrisos abertos, no amanhecer de cada dia... encheram as minhas tardes com o calor brilhante dos seus olhares. Sei que cada um, de forma diferente, me guardará no seu "baú" de recordações. E voltarão, como todos os outros, durante anos, para me darem a alegria dos seus objectivos concretizados, dos obstáculos ultrapassados, para que eu assine a fita de final de curso, para que eu saiba dos seus primeiros empregos... e tratar-me-ão sempre por "Professora"... é uma história repetida, ao longo destes quase vinte anos, em cima deste "palco" que amo e que é a minha profissão.

Hoje, era dia de balanço final do estudo da obra de Camões, Os Lusíadas. Dos preconceitos iniciais, nem um resquício... apreenderam que, para se falar de algo, é preciso conhecer. Falaram, então, de simbologias, de uma viagem metaforizada em percurso de vida, e escolheram o momento que mais gostaram. O Canto IX. Sem qualquer hesitação. Sorri... porque não faz parte dos programas de Língua Portuguesa... mas não resisto. Dou-o na íntegra.

A aula transfigurou-se, rapidamente, na defesa da actualidade da mensagem de Camões. Centralizaram-se no momento em que Cupido, furioso com a Humanidade rebelde, [porque ama erradamente], resolve preparar uma guerra exemplar, contra os que amam o que 'foi criado para ser usado e não amado', contra os que amam mais os animais do que as pessoas, contra os que só se amam a si próprios, contra... contra... os que têm medo de amar.

Conclusão de um dos meus lindinhos: "Nada mudou, desde Camões!".

Neste momento, em que cada palavra pronunciada se veste do fatal "adeus", que germine nos meus lindinhos a semente que tentei plantar, em cada um, de respeito pela sua língua, pelos seus Poetas, por todos os artífices das palavras... de respeito por si próprio... de respeito pelos outros. Do respeito, nascerá o amor. Uma plantação de amor, enfim.

36 comentários:

Adolfo Payés disse...

Que gusto pasar por tu blog y leerte.. después de un largo tiempo sin visitarte..

Un Abrazo
Con mis
Saludos fraternos de siempre..

Marta disse...

Lindo...
Mas é isso o que se quer - respeito e amor em tudo que é essencial para que a vida seja plena....
Obrigada pela visita....
Beijos e abraços
Marta

São disse...

Gracinha , que texto mais lindo, que maravilha poder acompanhar seres humanos ao longo de vários anos e ajudar no seu desenvolvimento. Partilho inteiramente essa tua emoção. E é tão bom quando anos depois os encontramos e ainda se lembram de nós!

Um abraço fraterno, companheira.

Whispers disse...

Minha querida amiga

Um Adeus que nunca será Adeus, porque vai ficar para sempre em teu coração, estes garotos que viste crescer, crianças que se transforma dia a dia diante dos nossos olhos.
E na vida deles vai ficar a recordação de um Professora amiga que os ajudou a crescer.
Desejo que tua semana esteja a ser boa
Mil beijos com carinho
Rachel

Paulo disse...

Já tinha saudades das tuas aulas! Uma aula de amor, o teu, pelos teus lindinhos. Não é comum, querida Graça, tens de reconhecer. Como teu colega, sei do que falo. "Do respeito, nascerá o amor.", será talvez aí que reside esse amor dos teus alunos, que tão facilmente conquistas. É um orgulho ser teu amigo,também porque dás a Ilha dos Amores :-).

Um beijo, querida, como sabes.

PJB

Pensador disse...

O verdadeiro educador não é a pessoa que despeja informações sobre seus alunos. É a pessoa que os faz compreender como usar a informação recebida. E, com isto, ficarem ávidos de novas informações e conhecimentos. E não quererem parar jamais.
Você é uma verdadeira educadora, Graça!
Sei que não é fácil despedir-se dos seus alunos ao final de um ano letivo. Mas pode ter a certeza de que, de alguma maneira, sempre estará na vida deles.
Beijos!

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Querida Gracinha

Volto aqui e encontro este teu texto, também ele lindo, como são lindos os teus lindinhos. Que alegria este reencontro!

Sou do tempo em que o Canto IX era PROÍBIDO, não era uma questão de não vir no programa, era mesmo PROÍBIDO. Felizmente que tive uma Professora igualzinha a ti no discernimento, na coragem e no amor pelo Ensino e pelos seus lindinhos. Eu fazia parte deles e tenho muito orgulho e prazer em o afirmar alto e bom som.

Era a MARIA HELENA LUCAS e ensinava no Lyceu Camões (é assim que está no frontespício) e dava-nos Português e... carinho, amizade, ternura, em resumo, AMOR.

Se adoro escrever (talvez não muito bem...) e se ganhei a minha vida a fazê-lo, duas pessoas houve que me marcaram: a minha professora da 4.ª classe, D. Clélia Marques e Dr.ª Maria Helena Lucas. Que teve o desplante de dizer na aula, sobre uma redacção que «nos encomendara» sobre «A Holanda» do nosso Ramalho Ortigão, que a minha era a melhor...

E de afirmar, perante outra sobre «Os bombeiros» que eu ainda chegaria a ser escritor... Pobre e querida Mestra... Peço-te que lhe perdoes e me perdoes...

Qjs

Continuo a esperar-te lá no meu barraco

Lídia Borges disse...

Sei do que falas... Gosto de sentir essa paixão pela profissão porque ainda que alguns a queiram desprestigiar, nunca poderão privar-nos desse sentimento que aqui descreves tão bem, de vermos germinar a semente que dia a dia tratamos, sem nunca desistirmos de ver florescer.


Os meus vêm pequeninos, com 5 ou 6 anos e vão-se aos 9, tão grandes!

Um beijo, Graça!

AFRICA EM POESIA disse...

Graça

obrigada pela visita.
Com aulas dificil ir a Lisboa mas vou estar na feira do livro do PORTo.
Vou apresentar o livro do Sporting dentro de pouco tempo em Alvalade e aviso...


beijos

AFRICA EM POESIA disse...

Graça
Li e vi-me aí...ser professor é isso. Mais um ano vai acabar...Mas para o ano novo ciclo se inicia.
um beijo

mundo azul disse...

_________________________________

Você deve ser uma professora MUITO ESPECIAL! Que felizes são esses meninos, por terem alguém que lhes tem tanto carinho...


Beijos de luz e o meu especial carinho!!!

__________________________________

Maria Valadas disse...

Querida Graça,
Ter uma professora como tu, é um benção do céu.
Felizes os teus lindinhos, nestes anos que comungaram contigo a palavra.

Beijos com verdadeira amizade,

Maria

José Carlos Brandão disse...

Camões é eterno.
E parabéns por semear tão bem tua semente entre teus lindinhos.
Um beijo.

. intemporal . disse...

.

. talvez,,, a.penas ou tão somente, um adeus entre.a.deuses .

. o teu beijo de hoje, Graça .

.

. paulo .

.

rosa-branca disse...

Olá querida Graça, ter uma professora como tu que ama tudo o que faz é espectacular e esses lindinhos sabem bem a sorte que têm. Semeaste minha amiga e quando a semente é boa, claro que nascem bons frutos em boas colheitas. Beijos com muito carinho

Brancamar disse...

Muito lindo o teu texto, Graça!
Aprecio sempre tanto estes ensaios com os teus alunos, como personagens principais!
E como muito bem diz um deles:"Nada mudou, desde Camões!".
Mas, vale-nos sempre o amor destes palcos, aqueles em que os lindinhos podem aprender a amar e a semear a semente de novos mundos...
Desejo que este teu ano escolar termine da melhor maneira e que cheguem depressa as tuas merecidas férias.
Beijinhos
Branca

Carlos Gonçalves disse...

Tantas formas de vida no dizer adeus: dizes adeus aos teus alunos, uns meninos que ensinaste, viste crescer, com amor, e que mais tarde te vão visitar ou simplesmente recordar; digo adeus no desaninhar dos melros que todos os anos fazem ninho na silveira do quintal da minha terra; disse adeus aos meus filhos quando abandonaram o lar materno na procura da identidade das suas vidas; digo adeus no intervalo que medeia a visita à minha mãe distante; digo adeus a um amor, que passou a ser apenas amizade; digo adeus a uma paixão, que não conseguiu passar do sentimento efémero de uma rosa vermelha a uma tulipa vermelha, a um gladíolo ou a uma miosótis; vou dizer adeus quando, na minha corrida de estafetas, não conseguir acompanhar a vida, que me ultrapassou…
Tantos adeus dizemos na vida, mas uma coisa é certa, nunca devemos fechar os olhos no sentir do cacimbo da serra, nunca devemos olhar para trás para ver o vendaval de uma boca dorida, de uma mão a acenar…
Beijo, querida Graça!
Carlos

Carmo disse...

Graça, já todos teceram elogios ao seu texto.

A única coisa que me ocorre dizer é que só uma pessoa de enorme sensibilidade como a Graça, consegue tão rasgados elogios.

Parabéns pela escrita, pelo teatro, pelas aulas.
Bom fim-de-semana

█► JOTA ENE ◄█ disse...

ººº
Texto lindíssimo...

Passando p'ra te desejar um...

BOM FI-DE-SEMANA

Sofá Amarelo disse...

'Nada mudou desde Camões?, sábia observação de alguém que já tem a percepção das coisas... na verdade, 'nada' mudou porque muitos dos poemas de Camões poderiam ter sido escritos agora... e não é preciso ir muito longe, basta ouvir alguns dos que foram musicados para Amália cantar, disser-se-ia palavras de agora, porque quem é eterno é capaz de agarrar a alma de quem escuta... mesmo que seja 500 anos depois... e os teus meninos têm perfeita intuição para perceber essas coisas!

Beijinhos para ti e para eles!!!

Vivian disse...

...o que vale em tudo isso,
querida minha,
é que plantastes a semente
da sabedoria em cada um destes
pequenos anjos, e elas germinarão
pela vida afora, com Camões, ou
sem Camões, mas certos de que
tudo vale a pena quando a alma
não é pequena, palavras do poeta
maior Fernando Pessoa,
até a nostalgia das despedidas.

beijinho, querida linda!

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Talvez um _ intervalo_ um breve adeus. Lindo! Parabéns!!

Chegastes assim, como eu te via
entoando a canção que eu queria
Ao céu abriu-se um cortejo de anjos,
Os sonhos pincelados a Luz do Luar...

Com o meu contato, algo em ti se fixou de mim,
traços meus se juntaram aos teus,
perfilando a trama ancestral que trouxeste!
Hoje eu te vejo e me reconheço em ti.

O que tens de mim, não será mais para mim!
Neste canto cega de Amor eu me entrego!
Como te escutavas me escutavas,
ainda mais feliz então me fizeras!

Viverei por todo esse encanto,
que canto o Amor como Arte!
Mas a vida faz da Arte outra Arte

em toda parte causa espanto
esse canto encanto de Amar-te!
Que festejo com sonhos e Arte!

Canto Enamorada.
Efigênia Coutinho.

Beijos, Graça.
Muito obrigada por mais este e pelas visitas às nossas humildes casas.
Bons Dias!
Renata

Canto da Boca disse...

Graça, após a leitura do seu texto, fico quieta, para que as emoções causadas por ele, permaneçam infinitas dentro de mim. O amor e o comprometimento com os quais exerce sua nobre profissão, perpassam-no para além, muito além do aqui descrito. Dá vontade de ser sua aluna também. Camões é e será eterno!

Um beijo e um lindo final de semana!!

Vivian disse...

...querida,


MÃEZINHA

Quando o pai celestial precisou
colocar na terra as primeiras
criancinhas, chegou à conclusão
que deveria chamar alguém que
soubesse perdoar infinitamente.

De alguém que não enxergasse
o mal.

Que quisesse ajudar sem
exigir pagamento.

Que se dispusesse a guardar os
meninos, com paciência e ternura,
junto do coração.

Que tivesse bastante serenidade
para repetir incessantemente as
pequeninas lições de casa dia.

Que pudesse velar, noites e
noites, sem reclamação.

Que cantarolasse baixinho, para
adormecer os bebês que ainda não
podem conversar.

Que permanecesse em casa ,por amor,
amparando os meninos que ainda não
podem sair à rua.

Que contasse muitas histórias
sobre a vida e sobre o mundo.

Que abraçasse e beijasse as
crianças doentes.

Que lhes ensinasse a dar os
primeiros passos, garantindo o
corpo de pé. Que os conduzisse
à escola, a fim de que
aprendessem a ler.

Dizem que nosso Pai do Céu
permaneceu muito tempo,
examinando...e, em seguida,
chamou a Mulher, deu-lhe o
título de Mãezinha e confiou-lhe
as crianças.

Por esse motivo, nossa mãe é
a representante do divino
amor no mundo , ensinando-nos
a ciência do perdão e do
carinho, em todos os instantes
de nossa jornada na terra.

Se pudermos imitá-la, nos
exemplos de bondade e
sacrifício que constantemente
nos oferece, por certo seremos
na vida preciosos auxiliares
de Deus.

MEIMEI

...deixo aqui como prova
do meu carinho esta linda
mensagem à você mulher,
mãe em potencial!

bjbj

Gil Moura disse...

Olá, Graça

Belíssimo texto aqui nos trazes!

É sem dúvida uma delícia, ter à nossa volta estes seres maravilhosos que são as crianças.

Beijinhos e bom fim de semana!

Gil

MEU DOCE AMOR disse...

O palco de quem educa.Um dia te agradecerão,por os teres levado à reflexão.

Beijinho doce ,esperando a tua visita no Vem Sonhar Comigo

Bom fim de semana:)

sideny disse...

Graça

Venho deixar-te um beijinho

E que lindo texto.

Brancamar disse...

Querida Graça,

Venho desejar-te um bom fim de semana, com tudo de bom, repleto de bons ensaios.
Beijinhos
Branca

Amordemadrugada disse...

Que bonito Gracita!
É tão bom essa sensação de dever cumprido! Quem me dera que fosses minha professora de português!Assim, brincávamos aos teatros enquanto as aulas se iam processando...;)Ai,ai...amo português! A língua!
A despedida é um pouco mais triste, não é!?
Mas como tu dizes, não será uma separação...Irão falar-te dos seus sonhos já concretizados, (com a tua ajuda, se calhar)e não te esquecerão, nunca!;)
Tem uma boa noite amiguita
Beso

Nilson Barcelli disse...

O meu Camões não tinha o IX.
Nem uma professora como tu...

"Nada mudou, desde Camões!".
Esta frase de um teu aluno, resume todo um trabalho que desenvolveste com eles. Para a proferir, foi preciso entrar no âmago da obra. É muito raro isso acontecer nas nossas escolas, onde o mais usual é ensinar "pela rama".

Mas de uma professora como tu só resultados como este (excelente) se podem esperar. Daí que tenhas feedback de muitos deles.

Querida Graça, bom resto de semana.
Beijo.

isabel mendes ferreira disse...

o meu respeito!


a minha ternura.

A.S. disse...

O teu palco é uma enorme seara, onde as sementes se reproduzem em frutos de amor e poesia!
Na verdade, nada mudou desde Camões! A intemporalidde do amor não se submete à lógica fria do computador Magalhães...

Um beijo!
AL

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Declaro, solenemente, que o meu amor pela minha querida não tem fim.

Corações desencaminhados

Igualei-me a eles

Quando fui embora

Bem quando precisaste tanto de mim

Não te vais arrepender

Voltarei pedindo

Não te esqueças!

Dá as boas-vindas ao Amor

que uma vez conhecemos

Sim

Abre os olhos

E verás

Por que eu disse que o meu Amor

Era sem fim

Preciso-te ao meu lado

Vem ser meu Amor Amado

Jamais serás rejeitado

Amor sem fim

Desde o começo

Abre o coração

Sente o Amor que tens

Amor sem fim

Amor perdura

Amor perdura

Corações desencaminhados

Igualei-me a eles

Quando fui embora

Bem quando precisaste tanto de mim

Não te vais arrepender

Voltarei pedindo

Não te esqueças!

Dá as boas-vindas ao Amor

que uma vez conhecemos

Sim

Quando o Rio do Amor flui

Ninguém realmente sabe

Até que alguém esteja lá para mostrar

O caminho do Amor duradouro

Como o sol o Amor brilha

Incansavelmente o Amor brilha

Sempre serás meu Amor

Amor eterno

Onde quer que o Amor tenha errado

O nosso Amor ainda é forte

Tivemos o nosso próprio Amor

Amor sem fim

Amor perdura

Amor perdura

Abre os olhos

E verás

Por que eu disse que o meu Amor

Era sem fim

Preciso-te ao meu lado

Vem ser meu orgulho

Jamais serás rejeitado

Amor sem fim

Desde o começo

Abre o coração

Sente o Amor que tens

Amor sem fim

Trad. da Renata.
Amor Sem Fim
U2

Beijos, my love******************

MCampos disse...

Sempre actual o 'amor', sempre um bom momento de reflexão estes seus ensaios-aulas. Gostei muito.


Um beijinho e bom resto de semana.

sideny disse...

Ola Graça

Obrigada

:))

um beijinho

Vozes de Minha Alma disse...

Olá, boa noite.
Apreciei a forma como narrou essas cenas tão maravilhosas com teus alunos, que com certeza darão bons frutos, do amor que tu soube cultivar em seus corações.
Escrevi uns versos chamado Teatro e Circo. Quando quiser, gostaria de compartilhar, ou poderá ler em Vozes de minha Alma. Seja bem vinda.
Um abraço.