Ensaio pelo encantamento...

[Graça]


Gerara em si, desde sempre, o desejo de ser luz difusa trancada à chave num imenso pinhal.
.
Queria, num só olhar, morder juncos quebrados na margem do rio. Ambicionava adormecer naquele curso de água do esquecimento, embalada pelo harmonioso linguajar do verde. Saborear, em cada sorriso, o tempo a cinzel inscrito nos penedos. Respirar o som das asas da liberdade. Ser raíz de torga sem beleza florida.

Queria, num só olhar, trepar troncos carinhosos e tecer abraços naqueles ramos frondosos. Desejava tocar o pó das nuvens, geometricamente desalinhadas, no azul do céu. Procurar o beijo doce do vento, dançando melodias de caruma, nos sinuosos atalhos. Beber com paixão a gargalhada quente do dia sedutor.

Gerara, em si, desde sempre, o desejo de, por mero encantamento, se perder na sinestesia desse encontro natural.

25 comentários:

Jorge Vieira Cardoso disse...

se o tempo fosse tão só o momento em que o crescimento brotou o entusiasmo da vida...

se a paisagem fosse o deslumbramento de um sorriso gargalhado no desequilibrar de um pequeno pé...

se a doce meiguice da tua lua fizesse acalmar o mar nas dunas, biombos do nosso esconde-esconde...

talvez fossemos o eixo da bola redonda, onde respiram as curas de uma paz à sombra da insensatez eternamente quebrada...

seria-mos eu e tu, os outros e nós, numa mistura de algas, braços dados na sonda TERRA.

te ofereço esta receita que EU não publicarei, porque nesse Palco onde te encontras, vejo-me apenas como mero figurante!

Beijo terno...

Jorge Vieira Cardoso disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Paola disse...

Ao ler-te, fui...viajei contigo pelas paisagens que dizes... as que omites... andei... enrolei-me nessa sinestesia total... revi o medronhal... e perdi-me... no "desalinho geométrico" das nuvens...

Beijo abraçado. Doce. Assim.

Paulo disse...

Bom, minha querida, humanizaste a natureza, de uma forma tão bonita. E reparei que quase que só no masculino! Esta tua natureza...

Saio encantado por ti.

Beijo, amiga



PJB

Lídia Borges disse...

De um encantamento indizível...


Bem-haja!

Beijo

Menina Marota disse...

Geras as palavras com o encanto e a beleza que a Natureza nos oferece.

Grata por elas.

Beijinho e continuação de boa semana :-)

Whispers disse...

Querida Graça!

Ainda ontem percorria caminhos assim
Entre arvores,tão gigantes que parecem quer beijar o céu.

Em abismos que só basta ter o descuido de dar um passo mal dado e acabamos com a luz que brilha em nosso olhar.
Ao andar,percorrer atalhos,caminhos com grandes subidas,parei e pensei o quanto eu principalmente ao longo destes anos me tenho acomodado na vida,tal qual aquela arvore entre as gigantescas arvores......meu caminho se fez com dificuldade,afinal sou menina da cidade e não me é muito fácil andar em mato.mas confesso que misturando lágrimas de frustração por dores que ainda me magoa,não São visíveis,mas me magoa todos os dias.meus pés deixaram de doer e me senti tal qual aquela arvore tão gigante que quer beijar o céu,me senti olhando tudo de uma maneira diferente e me senti a autora principal sem ter que usar mascara ou pintura para esconder a dor,porque ali,entre a mãe natureza eu pude ser a Rachel 100%.
Querida,teu post hoje me fez lembrar minha caminhadada,neste palco da real vida

Um beijo bem grande para ti com carinho e amizade
Rachel

MCampos disse...

Já lhe disse anteriormente que a sua escrita é pura poesia. Este texto só o vem confirmar. Expressa-se o desejo de uma forma tão natural, mas tão bela, como belo e natural se 'quer' esse encontro. Forma única de falar do amor. Gostei muito.

Bem haja.

Um abraço

isabel mendes ferreira disse...

a natureza maior do encanto que encanta quem ainda tem o dom de se encantar!





encantada Graça.Raiz!


que avança dentro do humus. profundo.


beijo.

Sandra disse...

Como é lindo este poema, a imagem vem contemplar a beleza pela natureza. Muito lindo tudo.
Parabéns.
Sandra

Anónimo disse...

Não gosto de comentar, sabes...

Mas este texto é um hino natural dessas palavras que gosto de te ouvir.

Encontro-te na sinestesia...

Beijo

Z.

Doroni Hilgenberg disse...

Graça,
que lindo palco,
onde a natureza vibra
a vida encanta
e você encena divinamente

Adorei o Blog
bjs

Marta disse...

E, ali se fica a gozar momentos sublimes...
Em que tudo parece estar mudo, mas na realidade fala bem alto...
Belo...
Beijos e abraços
Marta

Paulo disse...

sublime este teu texto, Graça.

provavelmente o melhor que leio de ti, aos olhos meus.

que sejam os teus olhos sempre o encanto de dentro para fora, numa visão apenas TUA e nunca sujeita aos derradeiros dias.

deixo-TE um beijo.

Deusa Odoyá disse...

Olá minha nova amiga!
Seu poema é um hino de amor à natureza.
Muito belo seu texto.
Parabéns, amiga.
Voltarei mais vezes.
Aguardo sua visita ao meu cantinho.
Uma semana de muita paz,amor e luz.
Um grande abraço.
Regina Coeli

A.S. disse...

Graça...

Nas tuas incólumes palavras, recusas ser o lugar de uma luz gelada que fixa os recortes da vertigem, os rostos cansados que enfrentam a sentença das pequenas horas, sem memória nem futuro.
Não queres a meia praia, queres o mar inteiro e o céu todo que com ele se confunda!
Não há na tua ousadia excesso de infinito!
És a palavra inteira! Exacta. Ágil sem ser furtiva. És poesia em movimento no palco onde se deleita o teu talento!

Beijos meus...
AL

Brancamar disse...

Querida Graça,

E aqui fico, sempre extasiada com as tuas prosas poéticas!
E que seja eterno esse desejo de te perderes, encantada, em todos os elementos naturais de um qualquer encontro tão sublime quanto este.
Beijo amigo.
Branca

Rosa Cáceres disse...

Gracia, tienes un blog maravilloso. Espero haber comprendido bien tu texto, creo que más o menos lo he captado. Es muy literario, por eso me complace mucho.
Un saludo.

Nilson Barcelli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nilson Barcelli disse...

O encantamento à distância do querer ou o adeus à terra prometida?
Em qualquer caso o perigo do lethes é bem real, para não falar das filas indianas das bichas peçonhentas dos pinheiros, dos foguetes feitos de juncos, das salamandras, sapos, rãs e outros bichinhos lindos que assustam as meninas lindas...
A natureza, no entanto, é um cenário perfeito para encantamentos.
Gostei do lirismo do texto e da imagem, que achei bucólica.
Querida Graça, bom fim de semana.
Beijo.

KrystalDiVerso disse...

Admirável sinestesia!
O desejo da luz, em todo seu poder de plenitude, toma a friesta da porta entreaberta e dispara-se entre a liberdade desse mesmo desejo e o respirar de alívio iluminado!... A dádiva de um raio de sol, presenteia a menina que sonha... que ainda sonha com admiráveis sinestesias, com misturas de sabores e saberes, com as recordações doces dos amargos futuros incertos das coisas, das nossas coisas... de nossas vidas que trespassam as friestas abertas na memória do que sempre desejamos alcançar; o poder da LUZ que tudo abraça, que tudo acaricia, que todas as almas ilumina!... Por enquanto, somos a friesta por onde a rejuvenescente Luz nos trespassa, iluminando o crescimento das árvores de nossa protegida floresta que se vai expandindo na direcção de nosso... olhar e isso é... Admirável!

Escolha entre... bejos e abraços

mariabesuga disse...

"Gerara, em si, desde sempre, o desejo de, por mero encantamento, se perder na sinestesia desse encontro natural."

Bonito bonito bonito!!!...

Deve ser por isso que neste momento sinto as palavras desnecessárias...

Um beijo, Graça

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Graça, querida:
Onde quer que esteja, vc vai ficar encantada com o que publiquei no Galeria.
Arruma um PC.
Beijos,
Renata

Brancamar disse...

E volto para te desejar um belíssimo Domingo e deixar-te o meu beijo de amizade.
Branca

P.S. Adoro as tuas escolhas musicais!

L disse...

gosto desta serenidade...