"Quero ser Professora!"

[Graça]


Desde que entrei no palco escolar, há quase duas décadas, que visto com alegria o papel de directora de turma. Gosto de pegar nos meus lindinhos, no início do terceiro ciclo, e acompanhá-los até ao final da sua escolaridade. Vê-los crescer, mudar a voz, assistir às suas primeiras lágrimas de amores não correspondidos, fomentar as suas certezas, partilhar as suas dúvidas, incentivar escolhas, são as 'deixas' diárias, nos anos que passamos nesta peça conjunta.

Há uns anos atrás, já num momento da vida em que tem de se começar a pensar no futuro, trabalhávamos, eu e a minha direcção de turma, as possíveis saídas profissionais. Foi um ano rico em encontros com vários profissionais de áreas diferentes, que os meus lindinhos foram conhecendo, no sentido de orientar os seus dias a haver. Sempre fui apologista de que se deve escolher a área de que se gosta, independentemente de tudo o resto. Gosto de pensar que, antes de mais, os meus lindinhos serão adultos felizes, realizados numa profissão que lhes encha a alma. Como eu!

Num determinado momento do ano, os meus alunos tinham de responder a um questionário, onde uma das perguntas era clara: o que se imaginava a fazer, dentro de dez anos. Uma das minhas lindinhas escreveu "Professora, quero ser professora."

Na altura, já tanto tinha mudado no sistema de ensino, já se tinha perdido o respeito por esta bela profissão. Não tentei demovê-la. Seria contra todos os meus princípios. Optei por lhe explicar como poderia ser o seu futuro, sem trabalho garantido, sem noção de dias da semana, porque todos iguais, sem reconhecimento pela dedicação extrema que leva muitas vezes a descurar a outra parte da nossa vida... mas a resposta foi sempre a mesma "Quero ser professora!". Os pais vieram assustados falar comigo, o que poderiam fazer para retirar ideia tão absurda da mente da sua filha. Tentámos, de novo, pintar o possível cenário de uma vida incerta. Não foi suficiente. E a minha menina seguiu o seu rumo. Perdi-lhe o rasto...

Hoje, passeava, com a minha companhia habitual, junto ao rio da minha cidade, saboreando, finalmente, a tarde de um sábado descansado, quando, de repente, ouvi alguém chamar-me: "Professora?!". Já não era a minha menina que tinha à frente... era uma jovem mulher, de olhos doces, como ainda recordava. Conversámos um pouco. O curso tirara... o estágio fizera, sim, tinha sido um dos anos mais felizes da sua vida... dar aulas de Português. "Sabe, Professora, também eu chamava 'lindinhos' aos meus alunos!..."- e sorriu. "E agora?", perguntei com algum receio. Trabalha ao balcão de uma loja de relógios... é vendedora, num centro comercial, da minha cidade. Sabe tudo sobre o tempo... esse, marcado pelos relógios de marcas caras. Continuou, sorrindo: "Só tenho saudade de algo... sabe o quê?". As palavras pareciam ter fugido da minha boca... abanei a cabeça. "De alguém a chamar-me Professora! Como é bonito..." Despedi-me, rapidamente. A minha lindinha lá seguiu, no meio de um sorriso, apressada... ia fazer o turno da noite.

Continuámos o nosso caminho, em silêncio, tanto silêncio! Às tantas, a pergunta: "Estás bem?"... olhei as águas calmas do rio, na certeza de que não seriam suficientes para lavar a minha mágoa. "Sim..." [o resto pensei... "também acho tão bonito que alguém me chame Professora!"]

26 comentários:

jabeiteslp@sapo.pt disse...

"tão lúcido o pensamento
quando dizer tudo é pouco"

e é do caraças
professsam-se sonhos
sonhos de encantado momento
nascidos
mas enguiçados de alento...

jocas da Covilhã

Vivian disse...

...Graça querida,
você tem o dom de
encantar-me.

quanta responsabilidade
vai na alma de um professor
que ama o ofício que escolheu,
ou foi escolhido por ele.

e você, com certeza,
foi agraciada com este
dom maravilhoso.

bem haja, querida linda!

adoro encontrá-la passeando
em minha casa.

bjbj

Brancamar disse...

Querida Graça,

Também eu fiquei em silêncio...o meu comentário está deste lado nas lágrimas que brotam dos meus olhos...
Pensei nessa jovem como tu..., apesar de não a ter conhecido.
E pensei em ti, que bom é ser professor, apesar de tudo...!
Beijos

Lídia Borges disse...

Sabe Graça,também eu disse desde muito cedo: "Professora... Quero ser professora!"
Fiz o curso (1.º ciclo) e antes dos vinte anos estava a trabalhar. Adorava o "Senhora Professora" que era como nos chamavam na época.
Tenho uma vida tão cheia de histórias (bonitas umas, tristes e difíceis outras.) Nunca serei capaz de contá-las todas!

Agora, Graça este texto é tão dramaticamente real que o seu silêncio é o meu, as suas mágoas as minhas.
E não sei se as minhas lágrimas serão as suas, também.

Um beijo

Whispers disse...

Querida Graça!

Como é triste que ai em Portugal não se dê o verdadeiro valor a um Professor
Teu post me deitou uma lágrima no olho.....

Pena que muitos professores também não vêem esta profissão como tu vez

Uma maneira de amar os filhos dos outros e os ver crescer e serem Homens e Mulheres de um futuro próximo

Tens um coração lindo,que sejas sempre assim, e terás sempre o gosto de ouvir ''Professora''

Um beijo bem grande para ti,linda, e que tenhas sempre a alegria e felicidade nas tuas mãos

Rachel

A.S. disse...

Graça...

Noite de um sábado feito de vento.Está frio aqio no Porto. Mas as tuas palavras aqueceram-me a alma... pela simplicidade, pela forma despretensiosa, pela nobreza de sentimentos que exprimem... pela humildade, pela poesia que encerram...


Deixo um terno beijo á Professora e à Mulher!!!

Paulo disse...

Também por aqui está uma noite quase de Inverno. Ler-te, nestas palavras tão sentidas, é querer animar-te, mas sei que não é possível. É infelizmente o que temos, sonhos perdidos, desejos reprimidos. A tua menina/mulher escolheu talvez mal, porque queria ser professora. Ainda acredito na nossa profissão, minha querida, apesar de tudo. Até porque há professoras como tu. Adoro-te.

Um beijo querida Graça

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

É bonito sim e eu tenho certeza de que vc é uma ótima professora. Já eu... Minha mãe foi uma ótima professora, aposentou-se e ganha menos do que o teto máximo do salário mínimo, dinheiro que não dá nem para uma semana, que dirá para um mês...
Meu irmão é professor da melhor universidade do Brasil, a USP. Sua esposa é professora na rede pública, ensino fundamental, ganha pouquíssimo. Quando se aposentar ganhará o mesmo que mamãe.
Mas todos eles têm algo em comum: adoram a profissão que escolheram!
Mas eles erraram quanto a mim, me forçaram a ser professora de Filosofia. Fui dar aulas de para o 1 ano do colegial. Durou 1 mês. Acho que hoje, até seria uma boa professora, mas tenho tantos problemas de saúde que não agüentaria.
Formei-me pela USP e depois dessa malograda experiência, voltei a USP para fazer pós-graduação em Tradução, pois já sofria do mal que ainda sofro e tinha que trabalhar em casa.
Ser PROFESSORA é lindo.
Parabéns, querida
Um beijo,
Renata

lupussignatus disse...

o rio

do

tempo

Vieira Calado disse...

Não sei como estão as coisas,
nos dias de hoje.
No meu tempo de professor, 2 horas por semana, para a direcção de turma, era manifestamente pouco.
Cheguei a perder horas, há procura, na cidade, de pais que nunca iam à reuniões,
sendo os que mais deveriam ir.

Beijoca.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Graça:
Acabei de lhe mandar por e-mail o meu selo comemorativo das 45 000 visitas ao meu GALERIA (se o e-mail não chegar vá buscá-lo no Galeria).
Não o desdenhe, foi o Tossan quem fez.
Beijos,

Paola disse...

Que dizer, minha amiga, de um testemunho tão real... de asas afundadas no rio... de sonhos derrubados no lodo... que dizer quando sobre os meus também desabou uma tempestade... que dizer?

Beijo abraçado.

Brancamar disse...

Voltei, querida Graça,

Voltei porque tenho admirado no teu template como a cortina do teu palco fica ali tão bem, do lado esquerdo e neste palco da vida há comédias, dramas, finais felizes e outros nem tanto.
Mas, Gracinha, pensando bem, se a profissão e gostar dela é muito importante, é fundamental também que o amor e a amizade acompanhe a nossa vida - pão para a boca e para a alma! Ontem fiquei muito comovida a pensar nos sonhos da tua lindinha, já mulher, mas pareceu-me ver no sorriso dela que descreves uma força e determinação de seguir em frente. Pareceu-me ver os alicerces que ajudas a criar nos teus alunos e esses alicerces são fundamentais para a sua luta pelos sonhos, para a sua adaptação à realidade, para a criação de novos e perseguidos objectivos, sem acomodações, mas através de caminhos serenos, em escaladas suaves. Hoje o mundo é outro e ainda o vemos à luz da estabilidade que adquirimos. É agora que se nos deparam saídas tão diferentes das que foram as nossas, mas os alicerces que demos a estes jovens serão sempre determinantes para chegarem mais longe. E tu dás tanto!
Tem uma boa noite.
Beijinhos

Paulo disse...

Também voltei, Professora :)).

Para te desejar uma excelente semana, mesmo que sem os teus lindinhos.


Beijo, Professora linda

(e adoro as músicas que pões aqui)

PJB

Valdemir Reis disse...

Olá estou visitando, parabéns pelo belissimo trabalho, excelente. Quem segue acompanhado de um amigo vai mais longe, muito além...
Compartilho o texto a seguir
“A amizade é assim:
É sentir o carinho,
É ouvir o chamado.
É saber o momento
de ficar calado.
Amizade é somar
alegrias, dividir tristeza.
É respeitar o espaço,
silenciar o segredo.
È a certeza
da mão estendida.
A cumplicidade que
não se explica,
Apenas vive!”
Olavio Roberto
Grato de coração por sua atenção e gentileza. Deixo votos de um fim de semana repleto de muitas alegrias, muitas bênçãos e que reine a paz, saúde e proteção, brilhe sempre! Fique com Deus. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Felicidades.
Valdemir Reis

lili laranjo disse...

Graça...


Vinha deixar-te penas poesia...

mas li ...
quero ser professora...
rolou uma lágrima..
Fiquei a confirmar que escreveste o que sempre senti...

Quero ser professora...,

Que futuro?

e eu... Que aguardei a reforma por invalidez ...
recebo a carta...
não autorizado..
e vou voltar para a escola depois de gozar as férias a que tenho direito...(117 dias) pois estive de baixa 3 anos + 1 (foro oncológico) .

Pequeno país este...

Um beijo e mesmo assim deixo...





ENGANO


Lá vai ela pela rua fora
Segue o caminho devagar
Pisa o chão com segurança
Sente que o chão é mesmo para ela...
Com os seus pés marca o lugar
Sente que ainda tem algo seu
É pouco mas é muito
Sabe que é apenas chão mas serve
Para sentir segurança e caminhar...
sabe que pode pisar com força
Que mesmo que magoe sente o silêncio
Pois o chão não sente dor
Mas...no fundo é apenas engano...
O seu é pouco...é apenas chão
O "todo" e o "tudo"
É apenas para os outros...
Ela continua a caminhar
E apenas a sentir que afinal
Seu é apenas o chão que pisa...


Lili Laranjo

o que me vier à real gana disse...

Graça, genial!!: isto a k chamam o Acaso"; a realidade tão poeticamente descrita. Só assim é possivel sentir o sentir de quem sentiu.

PS Como em tão curto esta Bolsa colapsou... Ui!, era eu aluno, e a localização temporal não dista assim tanto, e valia a pena investir nesta bolsa... Ei, não me refiro à parte regulada pela CMVM... Eu até k vim pr'á rua muitas vezes, mas por ser brincalhão em demasia. Pois admirava e respeitava - não tinha medo, respeitava - os stôres. Bem, as coisas mudam!... Era bom k a senhora Maria de Lurdes desse aqui uma espreitadela de quando em quando!

bjs

Sandra disse...

Vim agradecer a visita.
Outro dia volto, já esta tarde e amanhã é cedo.
Bjs.
Sandra

Naty e Carlos disse...

Ola belo trabalho Parabens.
Voltarei
bjs

Marta disse...

Um texto simples, mas repleto de ternura..
Há professores que nos marcam, que despertam em nós qualquer coisa que nos permite voar depois.
Obrigada pela visita, ao meu blog pessoal e ao colectivo..
Até já
Beijos e abraços
Marta

Nilson Barcelli disse...

É sempre muito complicado acompanhar e mostrar, de uma forma o mais realística possível, o futuro de uma qualquer vocação.
Já tive esse "problema" duas vezes e tive uma postura idêntica à tua.
Felizmente que no primeiro caso eu não consegui "assustar" o aluno, pois, para além de ser a sua vocação, teve maior facilidade de emprego com o curso que escolheu, enquanto a minha opção teria sido desastrosa... No segundo caso, também não o desmotivei, mas ainda não sei o resultado prático da opção.
Mas hoje a realidade é má em praticamente todas as hipóteses que existem...
Querida Graça, como é habitual, gostei imenso do teu post. Até da foto gostei...
Boa semana, beijo.

Menina Marota disse...

Apeteceu-me chorar, mas não chorei.

Filha de uma Professora, houveram momentos em que o desejei ser também.

Enveredei por outro caminho, mas recordo a despedida, quando em Luanda, uma escola em peso veio despedir-se da minha Mãe... a Professora, que o coração atraiçoou e teve que regressar à Metrópole, porque o calor de África já lhe fazia mal...

Memórias tão fortes que me parecem que aconteceram ontem.

Beijo e uma excelente semana

JotaSP disse...

Querida Graça,

___________________________ li, reli e não comento_________________________

está tudo escrito no que não disse____________________


Beijinho «««

mariabesuga disse...

ficam-se-nos sorrisos no pó do caminho
perdem-se sonhos no correr dos dias
guardam-se as forças na memória
tapam-se os olhos com as mãos já frias...

José Carlos Brandão disse...

Um relato triste. Eu sou professor, era tão bom! Era... Triste que queiramos hoje demover os candidatos à nossa nobre profissão. E tão poucos se interessam... Ai, que vou ficar triste também...

Um beijo.

Lírica disse...

Gostei de conhecer este espaço. Voltarei.


Bom sábado.