Ensaio no masculino...

(foto de GMV)

O ensaio principia com uma banalidade: não gosto de amarras! [Suponho que ninguém gosta...] E pratico esta condição de vida. Por vezes, sinto que a âncora pode descer, prender-se nos alicerces da existência. No entanto, a minha felicidade funda-se na certeza de que, sempre que quiser, posso vogar ao sabor do meu desejo, içar velas de liberdade nos mastaréus da minha embarcação. Zarpar na espuma sempre ansiada dos dias ditosos.

O ensaio continua com uma ideia repetida, tantas vezes, neste palco: porque rejeito peias, não gosto de dias "convencionados". Hoje, dia da Mulher... por descargo de consciências masculinas? Desse dia primordial de protesto no feminino, retenho só mesmo o protesto! Tudo o mais serão reportagens nos jornais, nas revistas, nas televisões, com estatísticas de violência doméstica, de escravidão sexual, de circuncisões violentas, de cancros da mama, de desigualdade salarial... Ou então, as breves entrevistas aos homens de flor na mão para, por um dia, homenagearem as suas mulheres. Ou ainda, grandes documentários sobre mulheres que se destacaram na política, na economia, na sociedade...

O terceiro parágrafo do texto figura-se numa certeza: não preciso deste dia. Sou feliz, e, por isso, vou escrever no masculino. Aos homens da minha vida, fragmentos do espelho que sou. Um reflexo feliz desse pai que me admira num silêncio orgulhoso, a cada adriça que conquisto... desse cunhado que me ampara, como um irmão, a cada sinal de tempestade... desse sobrinho lindo que não abdica da minha presença, a cada novo aportar... desse que me acorda, no calor de um sorriso partilhado, a cada dia por navegar... desse Poeta-Pessoa que preenche a minha alma, a cada tentativa de amainar vagas impetuosas... meras concordâncias gramaticais neste palco de condição feminina.

Hoje, mulher, como todos os dias...

15 comentários:

Paulo disse...

És tramada :)! Eu que vinha precisamente para te desejar um feliz dia da Mulher, encontro um ensaio no masculino?

Por isso também és uma MULHER que eu adoro.

Bjos, querida Graça

PJB

Brancamar disse...

Olá Graça,

Obrigada pelo maravilhoso poema de David Mourão Ferreira que me deixaste, deliciou-me.

Para este ensaio no masculino o meu aplauso, nenhuma mulher precisa deste dia, precisará apenas do protesto como dizes, que deverá ser de todos os dias, sempre que necessário. De uma forma geral não gosto de dias marcados para coisa nenhuma, eles são por si só indicadores de discriminação e muitas vezes mais um dia aproveitado comercialmente, como tantos outros, que acabam por cair na banalidade.
És maravilhosa como sempre, por isso tão feminina na defesa da humanidade, da discriminação em geral, venha ela donde vier.
Tem um bom Domingo, com esses homens todos.:)
Beijinhos.
Branca

o que me vier à real gana disse...

Boa noite, Graça!

Também a mim os dias disto e daquilo nada dizem.
Sublime é o que, a pretexto dum desses dias, aqui deixas!

Bj

José Carlos Brandão disse...

Nenhuma mulher precisa deste dia, mas... Falando no masculino, os homens precisam. É uma felicidade enorme a existência das mulheres. Alguns homens, até algumas mulheres não sabem disso. Precisam deste dia para compreender e dizer: Parabéns e obrigado por existirem.
Um beijo.

isabel mendes ferreira disse...

hoje como todos os oitos de todos os marços de todos os anos de toda a vida....


o meu abraço estendido como água....que não tem "género".



líquido maior. e antigo.


beijo G.


(obrigada)

Paola disse...

Deixa, minha amiga, que inclua no teu cenário masculino... o meu carinho. Sem género, nem número...

Beijo abraçado.

ângela marques disse...

também assim se faz o dia da mulher.


beijo

f@ disse...

Olá,
É um belíssimo ensaio em palco imenso...
tantos justificam a existência deste dia... enquanto existir uma mulher que seja injustiçada por qualquer motivo.... e é precisamente pelo mesmo motivo que eu não tolero a existência do dia...
assim como de outros dias com etiquetados disto ou daquilo...

Resto de domingo feliz e grande beijinho

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

"desse que me acorda, no calor de um sorriso partilhado, a cada dia por navegar", pergunto-me se é seu companheiro, marido, ou algo do tipo. Vivemos num mundo de "dias", não vejo mal em comemorá-los todos os dias e não só cada um no seu dia. Respeito seu ponto de vista, não sou xiita nesse aspecto, um pouco de feminilidade no dia dito da mulher não faz mal a nenhuma mulher. Aliás, a mulher deve ser feminina todos os dias e não recordar só as presenças masculinas na sua vida, mas as femininas, que nos são importantíssimas, pois sem nós, mulheres, não haveria população sobre a Terra e você não teria escrito tão belo ensaio.
Tem post novo no Galeria.
PS: Você pode escrever o que quiser nos seus posts, mas excesso de sinceridade pode ferir suscetibilidades (não a minha, mas a de um homem que veio cumprimentá-la neste dia). E pode ser outras coisas também, mas são muito desgradáveis e não quero ferir a sua suscetibilidade.
Feliz Dia Internacional da MUlher, Graça!
Um beijo,
Renata

preto [e] branco disse...

O teu palco está sempre bem preenchido de bons temas. Pregaste-me a surpresa de, julgando eu poder falar sobre o dia da mulher, encontro um post que, dedicado ao homem, quase provoca o esquecimento da mulher que, é a força da existência e felicidade do homem.
Gostei do modo como terminas...
"Hoje, Mulher, como todos os dias"

até
bj...nhos

Mar Arável disse...

O meu aplauso

Mar Arável disse...

O meu aplauso

Paulo disse...

Não me feriste :))!

Boa semana, querida Graça

Bjos

PJB

GMV disse...

Obrigada a todos os que passaram neste meu ensaio. E nos outros todos também :)!

Nilson Barcelli disse...

Estou contigo.
Não gosto de quase todos os "dias" e deste não gosto mesmo.
Beijo.