De volta aos ensaios...[a mentira]

(foto de GMV)

Por vezes, no teatro escolar, saímos em demanda de novos palcos... espaços únicos para aulas repletas de outras representações.

Há uns dias, acompanhei a minha direcção de turma numa dessas incursões, organizada à luz dos conteúdos das Ciências Naturais. Apesar de toda a minha paixão pela Literatura, pelas palavras, pela minha Língua, interesso-me por outras áreas do saber... ou seja, qualquer que seja o assunto, quero mesmo é saber. Por essa razão, sempre que me convidam para estas aulas de portas escancaradas, vou... não renego chaves.

À nossa espera estava essa ficção que reúne todos os Oceanos num só espaço... uma tentativa de abarcar as profundezas do mar, encarceradas num edifício à beira-rio plantado. Oceanário, pois claro! Não me é estranho o espaço, conheço-lhe bem o tom cerúleo. No entanto, e por ser uma experiência de aprendizagem, tínhamos uma monitora expectante, para iniciar a visita, dentro de uma sala [?], pronta para as mais diversas explicações. Os meus lindinhos provaram que são atentos. Não houve relações entre os seres que os espantassem. Dos benefícios do mutualismo, à desarmónica vivência dos predadores, dos parasitas aos hospedeiros... tudo foi claramente repetido a uma jovem deliciada com as intervenções avezadas.

Finalmente, lá seguimos para as profundezas dos mares, para confirmar em presença o que fora dito no espaço reduzido de um compartimento escuro e abafado. Sentados no chão, absorvendo as cores todas em tons de azul, os olhos brilhando na diversidade marinha apresentada, os meus meninos vestiram o silêncio da admiração. A monitora, de vez em quando, chamava a atenção para um dos seres que bailava indiferente pelo aquoso território. De repente um braço no ar! "Sim?", perguntou a jovem técnica de biologia marinha. O meu lindinho "Ó Rita! Porque está tudo tão calmo? Onde andam os predadores? Porque não se vêem parasitas em cima de hospedeiros?" Não resisti! É quase certo que gargalhei! A resposta pronta: "Ah! Isso! Bem nós alimentamos todos os seres que estão a ver! Era estranho ver aqui um tubarão à dentada..." O meu aluno: "Mas então isto é uma grande mentira! Estou a olhar para um Oceano que não existe na realidade!".

Nem mais. Gosto de alunos que verbalizam o seu pensar. Então, agora, o Homem também quer falsear a Natureza? Mostrá-la numa verdade artificial?

Regressámos ao fim do dia, princípio de noite... e eu, orgulhosa do meu menino, só pensava na "mentira"... essa ilusão de vida que tanto insistimos em viver.

20 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Essa foi boa Graça, uma verdadeira lição dada por um menino a alguém que provavelmente se julga numa posição superior por "saber" mais.
É um embuste mesmo. Pois que se limitasse ao que ali havia, ou levasse todos a uma reserva marinha, sei lá eu.
Você só tinha que ficar orgulhosa do seu menino.
Um beijo, querida,
Renata

o que me vier à real gana disse...

Olá Graça!

Genial, o teu aluno!... Tanto quanto o teu ensaio!
Se querem mostar, mostrem tudo... não iludam!
Neste mundo, e provavelmente noutros, uns vivem só até... para k outros possam viver. Tão só!... E cumprem cabalmente a sua missão.
Tão soft, tão deseducativo, esse oceanário!

Bj

isabel mendes ferreira disse...

a mentira como ficção ou a vida a ser um palco de sonhos ou de pesadelos?


insistamos pois em viver. debaixo deste céu. e no seu PAlco.



beijooooooooooooooooooo!!!!!

Vieira Calado disse...

O interesse particular na literatura não deve ofuscar interesses mais gerais, noutras disciplinas.
Assim é que é!
E faz bem incutir esse espírito aos miúdos.


Bjs

Paola disse...

... e, tal como tu, não disfarcei um sorriso. Porque vi o teu olhar...e ouvi-te na pergunta-menino...curioso por saber se a terra é salvação para um Mar de verdade...

Beijo abraçado.

Daqui até segunda... ou não!

Mar Arável disse...

Na verdade

tudo é relativo

Paulo disse...

Uma aula contigo, aqui neste palco, é sempre motivo para uma boa reflexão. Nunca tinha pensado no Oceanário nessa perspectiva da mentira.
Apesar de gostar muito dos teus intervalos, ler-te nos ensaios é muito bom.

Bjos, minha querida Graça

PJB

Régis castro disse...

também estou a gargalhar querida Graça...

Maravilhoso, seu texto, seu dia, seu aluno...

na vida devemos estar atentos a tudo que estar a nossa volta... de repente quem sabe, pode nevar no verão...?

Não podemos ver e/ou imaginar um oceano de mentirinha, tem que ser o verdadeiro...

mas gostei da "Mentira".... rsrsrs

Régis Castro disse...

Minha Querida graça também nunca te disse, Mas adoro todas as músicas que põem em teu blog...

as ouço muito.. muito.. mesmo... são lindas!!!

Anónimo disse...

Ouvi o teu riso contagiante... e vim. E teria rido também... porque gosto de te ver feliz.

preto [e] branco disse...

Escrever e ler, o prazer das palavras, é sempre algo que afecta quem dele vive com o maravilhoso vício de não largar "nunca".

Fazendo pequenos intervalos para outros "aprenderes", sem dúvida que o Oceanário é, para além de muito belo, uma ficção da realidade do habitat dos, maravilhosos, exemplares que nele se encontram e, sujeitos, às regras impostas pelos "abençoados" biólogos, tudo é um paraíso.

A pergunta do "teu menino" tinha de acontecer. É assim que, todos os dias, "aprendemos". O inesperado sempre aconteçe.

até

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça;
Venho convidá-lo a conhecer o meu novo Blog destinado à publicação de produções que falem da(s) mulher(es).
Um abraço,
Renata
http://blogrenatafeminina.blogspot.com

Nilson Barcelli disse...

Pois, é tudo mentira.
Mas não há alternativa...
Estes teus textos, juntando-lhes trabalhos dos alunos, seria um interessante (e creio que único) livro de curso para mais tarde recordar.
Bom resto de semana.
Beijo.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Você não vai aos outros Blogs meus? No Feminina, Sessão da Tarde, Poemas da Renata? Há postagens novas em todos. Eu acho que vou ter que fechar os Blogs se nem os meus leitores fiéis me acompanham.
Renata

Paulo - Intemporal disse...

e é na interrogação como constância de uma vivência em pleno que re.surgem de novo todas as dúvidas.

num pasmar de estar atento apenas.

no sentido ascendente da não conformação.

porque o palco há muito pode ser também, nos bastidores ou camarins, onde se vestem os sonhos.

e deixo-TE um beijo enorme e o desejo de um bom fim de semana.

____ p.

f@ disse...

Olá Graçita,

... a verdade... isso sim...
esse menino é verdade... é ousadia e tudo um pouco do que ás vezes falta por algum motivo... sei lá ás vezes uma certa covardia ou medo de dizer os sentimentos... neste caso a pureza e a realidade da natureza...
falta mto mesmo ao ser humano para ser como o teu menino...

grande a mentira da ilusão em que ás vezes os olhos nos deixam ir... esses olhos atentos de menino sensível e inteligente... fazem maravilhas ao nosso coração...

Beijinho infinito e bom fim semana

ParadoXos disse...

eles sabem e sabem mesmo! e andamos nós aqui a revelar o postiço onde não há dentadas nem predadores e presas - oh se há!
é bom ser surpreendido assim, com a verdade genuina e pura de uma "criança".

nosso beijo amiga
e tem um excelente fim-de-semana
merecidamente pra descansar!

Brancamar disse...

Querida Graça,

Espectacular "o teu menino"!
Como era bom que todos não perdessemos esse sentido crítico e inteligente e que o soubessemos transmitir aos mais novos. Parece-me que aí há também muito trabalho dos professores, quando essa sensibilidade não é transmitida na família.
Se calhar não é por acaso que esse menino é teu aluno :))
Eu também sorri. Adorei o episódio e é motivo para reflectirmos todos sobre essas "mentiras-ilusões" que proliferam sobretudo nas grandes cidades e nos meios mais civilizacionais(?).
Beijinhos
Branca

isabel mendes ferreira disse...

Bom fim de semana....solar....tranquilo!!!!!





beijo. !!!!

JotaSP disse...

Sem comentar nada____________ digo que tudo faz parte destas nossas mãos___________________________

assim


Um beijinho *