No intervalo...

(foto de Tinta)

No bailar constante do vento... agigantam-se memórias!

E nem o laborar incessante... do moinho da vida... as reduzirá a !

25 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

e é a memória que nos salva.



ou não.

às vezes.


mas aqui tudo nos a.redonda.


de metáfora em metáfora.



beijo G.

Paulo disse...

As memórias que nos preenchem, que nos fazem o que somos. Só a morte as reduzirá a pó.

Profundo o teu dizer.

Bjos, querida amiga, também tenho saudades :)

PJB

sérgio figueiredo disse...

Memórias que não se esgotam e que nem o vento as leva.
Memórias que enriquecem o ciclo da vida cada vez mais agitado, velho e ao mesmo tempo renascido.
Memórias, em ninho de saudades que vivem no presente alimentadas pelo passado.
Memórias, de sonhos realizados e muitos, perdidos.
Memórias que jamais serão pó mesmo que o pó, sejamos nós.

beijinho

f@ disse...

Olá Graça,

Belo...
Lol... comprei o JL errado mas mto bom...o 1000 amanhã vou ver 0999...
...
das memórias da vida... o pó é de estrelas e luz... sai perfumado nos vento que passa...
das nuvens
Beijinhos

Carlo Rochas disse...

Memória, insaciável descrer, pergunto-me se irreversivelmente não teremos que a perpetuar, queria que fosse razoavelmente discernida, algo frustrado por não a poder seleccionar. Um beijo sereno para uma semana calma e imagino que como por aqui, bem fria. O suficiente para resfriar reminiscências.

Carlo Rochas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Profeta disse...

Tal como o vento...passei em brisa...deixo-te um terno beijo...

Paola disse...

O moinho alimenta as memórias... transformando-as em pão que nutre... enquanto o corpo não for pó...

Adorei... como sempre, enfim!!!

Beijo abraçado

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

O máximo que vc pode fazer é lutar contra a memória voluntária, pois é você que a chama. Já com a memória involuntária, a guerra está de antemão perdida.
Amiga:
Escrevo poemas em francês. Postei um no Tristão e Isolda e outro na Galeria.
Beijos, Graça,
Renata

Nilson Barcelli disse...

Há memórias inapagáveis, ou quase, pois algumas a terra vai engolindo-as com o tempo.
Beijo.

Carla Silva e Cunha disse...

por muito que se queira as memorias acompanham-nos sempre, para o bem ou para o mal
boa semana

Carla Silva e Cunha disse...

por muito que se queira as memorias acompanham-nos sempre, para o bem ou para o mal
boa semana

Carla Silva e Cunha disse...

tens pinturas lindas no blog
parabens pela escolha

o que me vier à real gana disse...

Excelente, GMV!

O vento fá-las agigantar; em simultâneo cria ferramentas próprias à destruição das mesmas... Não consegue, porém!

Que outras "coisas", tb naturais, igualmente o não consigam!

Excelente ilustração!

Bjs

Conde Vlad Drakuléa disse...

Lindo, lindo moinho e lindo o poema, beijocas novas ;)

MEU DOCE AMOR disse...

As memórias ficam sim.Que nos ajudem a progredir.

Conviso-te a vires até ao Opiniões a deixar o teu contributo.Ficaria muito contente.

Um beijinho doce para ti:)
http://projectoamizade.blogspot.com/

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Tenho um Blog novo: Poemas da Renata:
http://poemas-renata.blogspot.com
Postei hj um poema em francês. Vou postar poemas em francês e português de minha autoria. Vá visitar-me hj ainda,s e possível.
Beijos,
Renata

Paulo - Intemporal disse...

___________________ Querida Graça,

Preparo-me para intervalar no intervalo dos dias.

_________________________________
_________________________________
_________________________________
_________________________________
_________________________________
_________________________________

Será no silêncio destas palavras que te deixo, que a comunhão será eucaristia viva, na voz tão tua que ao ouvido me sussurra os sabores das memórias, no convés que em ti, há muito se estende na linha d`água, em que te sonho a desgoverno.

__________________ teus passos serão sempre o eco sentido desta caminhada, onde a pena é um gancho em permanente sustento.

e a tinta a rasura onde te anseio.

Um beijo de boa noite, Graça [.]

ParadoXos disse...

aqui - meu palco onde se mimam as recordações e se pintam de fresco os dias!!

- és de gostar amiga!!


teu, nosso beijo partilhado - em nós!

o que me vier à real gana disse...

GMV, que bem cantas... a tua avó ali em cima! Sublime!

PS não consegui deixar este comentário no devido sítio... Sou cá um azelhazito do caraças!

Bjs

Jorge Vieira Cardoso disse...

as pessoas que lembramos são aquelas que mais falta nos fazem. beijinho da minha parte a todas as avós do Mundo... muito bem lembrada no teu palco essa tua avó! beijinho para ti com toda a ternura que mereces...


tomei a liberdade de enviar através de ti e para mim esta mensagem, para que me lembre sempre das minhas avós...

JCD disse...

Querida Graça,

não vou comentar, apenas marcar a minha passagem e pedir desculpa pelo silêncio mas_________________

a vida é assim...

MUITO obrigado por todo esse carinho!

Um beijinho assim «««

ângela marques disse...

espero que me desculpes marcar aqui a minha presença, num dia que é só teu.
mas queria dizer-te que as minhas lágrimas acordaram.

beijo

O Profeta disse...

As memória são flores que nunca perderão o seu perfume...


Doce beijo

Paulo disse...

Percebi agora porque se agigantam as tuas memórias. E já que não deixas comentar no sítio certo, vai mesmo aqui.
Lembro-me vagamente da tua avó. Não sabia é que tinha sido ela a ensinar-te esses fados que algumas vezes te ouvi cantar. Qualquer peça de roupa te servia de xaile, e a alma saía. Ainda cantas? Tenho saudades desse tempo.

Lindo o post à tua avó.

Bjs "meus" todos para ti.

PJB