Ensaio por uma "deixa"...

(foto de GMV)


Ao sabor dos dias, a cortina abre-se para representações únicas. No palco escolar, uma cena nunca se repete, ainda que a peça seja a mesma. Uma aula edifica-se, tantas vezes, no traçado momentâneo, timidamente delineado por esses aprendizes que anseiam arquitectar a vida. E eu deixo...

Entraram ainda sacudindo resquícios de uma tarde chuvosa. Os sorrisos traziam o calor de sempre. Naqueles meus alunos, por enquanto, o Inverno não perdura o tempo necessário para se tornar estação. "Vamos acabar a história, Professora?". Gosto de ler. Para eles. Andávamos de volta dessa peça O Colar, de Sophia. Era dia de terminar a história. Essa história que foram ouvindo, ao sabor de todos os papéis tornados forma pela voz da Professora. Sabiam também que, assim que eu acabasse a minha leitura teatralizada, teriam de escrever uma cena alternativa para aquele final que ainda não conheciam. A expectativa era grande. Afinal, na última aula, tínhamos deixado Vanina a sofrer a desilusão de um primeiro amor não correspondido, destroçado às palavras de Pietro. Personagens de uma vida ficcionada, que assimilavam como possível. Recomecei, quase no final da peça, vestindo o papel de Vanina: "Não, não há nada que falar. Não há nada para dizer. Eu morri sem dizer nada."

"Eu morri sem dizer nada" transformou a aula num querer dizer tudo! Ensaiaram explicações, esgrimiram argumentos, defenderam certezas... E pronto! A escrita ficou para outro dia...

Sempre que a cortina se fecha, sempre que a plateia se esvazia na escuridão deste Teatro, há uma luz que, teimosamente, incide bem no centro do palco... nasce nesses projectores-meninos que iluminam a minha vida.

17 comentários:

Paulo disse...

Hoje apetece-me plagiar alguns dos teus visitantes. "deixas-me ser teu aluno?"

Bjos, querida Graça.
(está um temporal por aqui)

PJB

o que me vier à real gana disse...

Olá, GMV!

Se tiveres tanto talento para ensinar como tens para escrever... vais deixar discípulos. Por certo!

Obrigado pelo comentário que me deixaste!

Bjs

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Há pessoas que têm uma vocação nata, acho. Meu irmão e minha cunhada, minha mãe: professores e excelentes. E você, Graça, que ao falar das suas aulas, da leitura para os alunos, ao falar dos alunos transborda de amor. Você nasceu para ser professora e boa. Parabéns.
Um beijo,
Renata

Nilson Barcelli disse...

"E eu deixo..."
Destaco esta frase porque acho que ela te define como professora.
Nunca fui professor, mas aprendi há uns anos, devido a uma circunstância específica, que essa é a melhor atitude de um professor para muitas das actividades escolares (não o será, por exemplo, para as ciências exactas...). Porque o papel do professor será orientar os alunos para um determinado objectivo, deixando-os escolher e/ou sugerir o caminho, ainda que aqui e ali o possa condicionar...
Como professora, resumindo, também és uma beleza...
Bom fim de semana para ti.
Beijo.

Nilson Barcelli disse...

Corrijo:
Destaco esta frase porque acho que ela ajuda a definir-te como professora.

Régis Castro disse...

Olá minha querida graça...

Estava realmente viajando e representando, mas também escrevendo só não tive tempo de postar, mas hoje postei um texto...

mas vim aqui... te deixar o meu abraço e beijo de todos os dias...

Seu texto, lindo, poético e não só te define como excelente profesora, mas também como ser humano, maravilhosa que és...

Felicidades!

Conde Vlad Drakuléa disse...

Que lindo, estou vendo o holofote iluminando o centro do palco, que texto magnético, hipnótico, li e reli sem parar, maravilhado! Me considere teu aluno também hein? Sempre aprendo muito contigo ^^

Beijos minha preciosa especial :****

Carlo Rochas disse...

Querida Graça, uma excelente abertura para a construção, a invenção, a paixão, a implicação. Desinibidos, altivos, criativos. Ainda hoje troquei com o meu filho mais velho a propósito de uma péssima nota que ele tirou em francês, uma explicação de texto sobre os “realistas” do XIX século. Tinha tudo para conseguir uma excelente nota, apenas trocou a facilidade em decifrar umas linhas para a dificuldade em expressar todo o conteúdo que ele ressentia ao sabor dos conhecimentos que horas de leitura e paixão lhe trouxeram. Um beijo e desejos de um excelente fim-de-semana para ti.

lua prateada disse...

Passei correndo
Com xuva,vento e frio
Passei voando
Arrastada por um fio.

Não passei por nada
Apenas ,porque de mim emana
Grande amor por meus amigos
Passei desejando bm fim d semana.

Beijinho prateado com carinho

SOL

isabel mendes ferreira disse...

"Eu morri sem dizer nada"

____________e quantas vezes se vive sem nAda para dizer???!!!!



morrer de assim é dizer tanto Querida Graça...



.
luz luz luz dentro dos olhos que são assim capazes de iluminar meninos a serem homens.



beijo. grato. posso? muito.

Anónimo disse...

Fico sem palavras quando leio estas tuas aulas. Também queria ser teu aluno!

Abraço-te

Paola disse...

E eu, que partilho contigo cenas e quadros desse palco, vi o brilho no teu olhar... sem projectores-holofotes, naturalmente.

Beijinho

São disse...

Olá!
apreciei muito e adorei a foto.
Feliz semana.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
Hj é domingo, mas postei no Galeria e no Poemas da Renata. Se quiser aparecer, está dito.
Um beijo,
Renata

Mar Arável disse...

Assim se rasgam caminhos

e constroem marés

com brilho

Brancamar disse...

Graça,

Fico deslumbrada a pensar nas marcas que as tuas aulas deixarão nesses teus meninos. E como eu o sei! Tive um professor de Português que me deixou muito mais rica, nunca esqueci nem as suas aulas, nem a forma original como as enriquecia, numa época em que o ensino era tão monótono. Por coincidência também era um homem do teatro amdor, por coincidência teatralizava um pouco os Lusíadas nas aulas e através deles desmistificava a História "perfeitinha" que se ensinava à época. Professores como esse mudaram-me a vida, estou-lhes eternamente grata. Fui uma privilegiada desde o primeiro ciclo do ensino básico (antiga primária), por isso tenho um respeito enorme pela tua profissão, mas neste texto e noutros vejo que ultrapassas tudo o que já vi numa aula, por isso dizem muitos aqui e com razão: que bom deve ser ter uma profesora como tu!
Por coincidência a minha filha que é finalista de um curso superior de teatro escolheu "O Colar" para trabalhar neste primeiro semestre, nas cadeiras de Produção, Encenação, Dramaturgia e Teoria de Projecto.
Se estivesses por perto que prazer deveria ser para ela trabalhar contigo!
Beijinhos.
Branca

Isabel José António disse...

Cara GMV,

Andava eu a "nabegar" entre blogues e deparei-me com o seu, numa espreitadela cheia de atenção.

E o comentário que faço é o seguinte: Na Vida, no Teatro ou noutra circunstância qualquer, o que é preciso é prestarmos toda a NOSSA TOTAL E COMPLETA ATENÇÃO ao momento em que estivermos (a representar, a viver, a trabalhar, ou no lazer. Só dessa forma podemos agarrar o AGORA, o PRESENTE, já que o passado já lá vai e o futuro ainda não chegou. É TUDO o que temos o momento PRESENTE.

Se o vivermos com toda a intensidade, intenção e entrega, teremos criado para nós um momento de eternidade.

Vive em todos os momentos
Com toda a tua intensidade
Criarás assim só portentos
E momentos de eternidade

Entrega-te, age e representa
Toda a tua poderosa energia
O Universo também te apresenta
Pedaços da eterna e total magia

Parabéns pelo post.

José António

PS.:

Se nos quiser visitar, numa das nossas casas, sinta-se convidada.