Ensaio pequeno...

(foto de Tinta)

Quando o vento me traz odores tacteados pelo sabor do verde, conscientemente, minto-me:


- Não tenho saudades!

17 comentários:

paradoXos disse...

se for esperança a verdura que perdura nos odores não serão dores as saudades que ficaram.
bela denúncia breve - pequena - grande no conteúdo que guarda!!

aquele nosso beijo estimada amiga!

:-)


bom-fim-de-semana-bom!

paradoXos disse...

estimo-te - muito!!

Paulo disse...

E eu tenho com ou sem vento.

Bom domingo, querida Graça

Bjos (meus, dirias)

PJB

ângela marques disse...

Não são todas as nossas memórias tingidas com laivos da nossa mentira presente?

Beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Verde é a cor da esperança. Ainda bem que vc mente, pois sente deveras saudade.
Graça, querida:
Publiquei poemas novos no Poemas e no Doces Poesias. Foi foi no meu canto ontem e ficou decepcionada, espero que hj não fique.
Beijos,
Renata

Conde Vlad Drakuléa disse...

Lindo,lindo,lindo,lindo ao quadrado!!! Também adoro odores, especialmente depois que chove... Hoje estava lendo que nosso português falado aqui deriva de um idioma misto de português, tupi e idiomas africanos chamado "inhangatú"! O "você" que falamos aqui por exemplo veio desse idioma falado aqui no século XVI e XVII, na época dos bandeirantes... Lembrei de ti, que ensinas português... Já ouviste falar desse dialeto?
Beijocas do Luiz :)

f@ disse...

Simular o tacto e o sabor
perfuma
o pé
da flor
en saio da primavera para
o acto de nascer

Beijinhos das nuvens

Paola disse...

Mentes tu e minto eu, amiga. Há melhor forma de amarrotar a saudade?

Beijos abraçados.

Bill Stein Husenbar disse...

Por vezes é bom não ter saudades.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Paulo disse...

E volto. A foto é do Gerês?

Bjos

Paulo - Intemporal disse...

__________________________________

Serão sempre de verde o resumo dos dias, no clorofílico sentir de uma só vez, ainda que por mais uma vez [...]

Resumo na espera dos dedos franzidos.

Dos sentidos sentidos.

Na franzina natura sem contra.

Um beijo de boa noite, Graça.
__________________________________

GMV disse...

Gerês, sem qualquer dúvida.

Beijo imenso com saudade!

Régis Castro disse...

Olá minha querida Graça...

Todos nós, nos permitimos mentir...
Mas a verdade é que sonhamos e buscamos sonhar com o doce em que a pureza nos traga toda a felicidade contida na pureza da natureza!!!

Estimo-te...

Saudades...
Beijos!!!

Nilson Barcelli disse...

Quem provar o verde jamais se vai esquecer de mentir para se encontrar com ele e matar as saudades do seu inesquecível sabor.
E o verde gosta que gostem dele, fica ainda mais verde.
Beijo.

Vieira Calado disse...

Olá 'miga!

A imagem é deslumbrante.

O verde está aí e no texto.

Bjs

O Profeta disse...

CONVITE

Porque as palavras são tantas, imensas, são ternura o afago, cruéis ou vil loucura. Quando ditas não voltam à boca.

Convido-te a partilhar “ALQUIMIA DAS PALAVRAS” no lançamento do livro com o mesmo nome da autoria de Armando Moreira, que terá lugar no dia 24 de Janeiro de 2009 pelas 21 horas e 30 minutos no Coliseu Micaelense.

O livro será aberto e do seu interior irão brotar canções, histórias e teatrices numa noite em que o feitiço estará presente e será servido por actores, cantores e poetas com a magia da Palavra…


Mágico beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Querida:
Postei no Galeria. É uma postagem que me dá orgulho. Gostaria que vc fosse apreciá-la e que deixasse a sua opinião. Mas é no Galeria, se vc quiser ir aos outros Blogs, vá depois.
Um abraço,
Renata