Ensaio diferente...


Hoje, era o primeiro ensaio, após as férias. Sabia que os meus "aprendizes do fingir" enfrentariam o ar gélido da manhã, com a avidez natural de quem, por fim, pode segurar as folhas mágicas de uma peça escrita propositadamente para eles. Eu sabia. Eles é que nem imaginavam que o ensaio se apresentaria diferente.

Na véspera, fora contactada por uma jornalista. Alguém que gostaria de conhecer o meu Clube de Teatro e, se possível, falar com os meus jovens actores.

Recebi a senhora na Sala Gil Vicente. Primeiro comentário de espanto: "Mas isto é mesmo uma sala de teatro!" Sorri. O palco existe, sim... a plateia lá está, vazia é certo, mas ainda ressumando o calor de tantas vezes repleta... o pano abre, no orgulho da sua cor vermelha, já cansado de mais de dez anos de aberturas, umas envergonhadas, outras ansiosas, e todas, todas vestidas de alegria. O espaço de tantas representações!

A conversa prévia, comigo, fluiu ao sabor de uma torrente de perguntas... as memórias inscritas naquele espaço avivaram-se... em segundos, revivi os momentos inesquecíveis de centenas e centenas de alunos que já subiram àquele palco... tantas vezes, arrancando gargalhadas de uma plateia sempre desconfiada... provocando a lágrima envergonhada... ou, simplesmente, merecendo o estrondo de um aplauso sentido. Lembrei os meus queridos colegas... outros encenadores do mesmo espaço, de outros jovens... senti-lhes a dedicação, a igualdade neste amor, tão nosso, pela arte da representação.

No meio desta conversa, começaram a entrar os meus "lindinhos". Primeiro, com o acanhamento de quem não conhece; depois, rapidamente, assumindo o papel de entrevistados, com o mesmo à-vontade com que encaram o palco verdadeiro. A jornalista fazia perguntas e espantava-se com as respostas. Não esperava a seriedade com que se falava de teatro, a maturidade assumida ao explicar os sentimentos vivenciados, antes de uma representação...as certezas de quem reconhece que, pisar um palco, modifica a vida. Limitei-me a ouvir. Orgulhosamente, ouvi os meus "aprendizes" falar desta experiência única, que partilham comigo.

Já nas despedidas, à porta, um deles perguntou à jornalista: "Isto vai mesmo ser publicado?".

A pergunta aqueceu o meu dia. Mesmo que não saísse no jornal, o ensaio tinha valido a pena. Entre as paredes da Sala Gil Vicente, repartiram, com uma estranha, os seus sentires teatrais, sem fingimento.

A jornalista riu. "Na próxima edição."

24 comentários:

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Que texto lindo, Graça. Eu não entendi por que vc tanto gostava de teatro. Agora, entendi: a sua vida é o teatro. Na forma de professora, de encenadora, de persona, de ser. Tomara que o texto tenha sido ou seja publicado.
Amigo, nõa tenho andando bem. É um amigo meu que te comenta às vezes, o Giacomo, que tem postado para mim. Não pense que te esqueci, isso nunca.
Beijos, tenho de ir para a cama,
Renata

Paulo disse...

Isto não se faz! E vai sair onde? não dizes? Maldade tua. Vou ligar-te.

Hoje nevou por aqui, acreditas?

Bjos, querida Graça

paradoXos disse...

Para mim, amiga, os teus textos, bem reais, são sempre merecedores do mais sagrado respeito - expressão diversa e diversificante - humana!

Teu beijo, em ti!
Bem real!

GMV disse...

Renata,

O teatro faz também parte da minha vida...assim!

Beijos meus e cuide da sua saúde

GMV disse...

Querido Paulo,

Claro que acredito...na neve. Aliás, eu e todo o país vimos que nevor por aí :)

Dir-te-ei(ao telefone)

Beijo com saudade

GMV disse...

Eduardo...

Ver-te no meu simples palco é uma imensa alegria.

O teu beijo também real.

Bill Stein Husenbar disse...

Graça amiga,

Então deixe-me dar os parabéns pelo trabalho e pelos seus "lindinhos".

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

mundo azul disse...

_______________________________

Trabalhar com Teatro é maravilhoso!
Quando jovem, dei algumas ensaiadas amadoras e confesso que me encantei... Mas, por vezes, nem tudo que gostamos é o que fazemos...

Belo texto, minha amiga! Despertou-me antigas lembranças...

Beijos de luz e carinho!!!

___________________________________

Paulo - Intemporal disse...

________________________ Graça,

felizes daqueles que em ti reunem a ambição da arte que retrata a vida.

Que em ti encontram o patamar prometido na expressão que se encontra sempre próxima do paraíso.

_______________________

Posso ser teu aluno [?]

_______________________

[impressionante o orgulho que tenho em ti]

Bom fim de semana e um beijo de boa tarde _______________________ .

GMV disse...

Bill,

Agradeço as suas palavras, sempre tão simpáticas.

Um beijo de boa noite

GMV disse...

Querida Zélia,

Faço o que gosto, felizmente. E o Teatro é só um pouco desse meu gosto.

Beijo com carinho e obrigada pela Luz que deixa sempre no meu palco.

GMV disse...

Paulo,

Feliz fico eu, quando as tuas palavras me são dirigidas.

Obrigada por isso... obrigada pelo resto...obrigada por me deixares partilhar um pouco da tua linda Alma.

Um beijo de boa noite, querido Paulo

manzas disse...

Delicada escolha do rubor colorido
Pincelada em traços de imaginação…
A magia conceituava amor absorvido
Aglutinante transparência do coração

O abraço…

GMV disse...

Já percebi, Moisés, que tenho de ir ler o resto... no sítio do costume.

Beijos meus

paola disse...

Leio-te e escuto palavras tuas. Ao mesmo tempo, vejo um sorriso vaidoso, uns olhos negros com um brilho orgulhoso e um dedo a apontar certezas determinadas ao portão... Orgulho-me contigo, posso?

beijinhos

GMV disse...

Sempre. Podes sempre, minha querida amiga e companheira de tantos outros orgulhos.

Beijos meus (não tenho flor!)

f@ disse...

Parabéns pelo belo post...
bom respirar este ar puro da arte de sentir...vida e emoção e verdade...
há depois post aqui a entrevista pode ser?

Beijinhos das nuvens

Conde Vlad Drakuléa disse...

Que texto gostoso de se ler! Tantas apresentações, mesmo nunca ter conhecido esta sala, dela sinto saudades também! Com este texto provas teu amor pelo teatro, parabéns por ensinar tão nobre e importante arte, parabéns pelos teus lindinhos, pelas apresentações, pela cortina vermelha, por existir! Te adoro muuuito, te amo muuuito mesmo minha querida, já voltei com muitas saudades, nos falaremos em breve, beijocas mil, saudades tuas, duas mil e duas ^^

GMV disse...

"vida e emoção e verdade"

Que bem descreves o meu palco, Fá.

Obrigada por isso!

Beijos meus

GMV disse...

Também já tinha muitas saudades tuas, caríssimo Conde!

Obrigada por tanto gostares.

Beijos meus

Nilson Barcelli disse...

Professora babada... e com razões para isso. Ver os alunos brilharem é um dos gostos supremos do professor (presumo eu...).
Gostei do texto, pois refere mais uma situação positiva.
Um beijo.

GMV disse...

Querido Nilson,

É um gosto supremo, sim... que tenho sentido tantas vezes, ao longo dos anos.

Continuo babada, também por isto.

Beijos meus

ângela marques disse...

:)às vezes desentendo-me com esta frase de W.Shakespeare, sobretudo com a utilização "banalizada" que dela se faz. Mas fiquei curiosa, porque partilho da paixão pelo teatro, e tb por W.S..
E também há muito que não via uma citação de Mário Dionìsio...
Enfim, imensas razões para voltar.
Obrigada.

Emilia disse...

Assistir às tuas peças tem sido o privilégio de alguns que ali entendem o valor da obra,o valor dos valores que então se impõem... E são já muitos os "jovens lindinhos" que tocaste com essa verdadeira varinha da magia sentimental feita teatro. Espero ser convidada para outras peças, mesmo quando não faça parte da peça dessa nossa escola.
tamb+em quero ler essa entrevista.
Beijo
Emília