Ensaio sobre o deserto...

(Antas - foto de GMV)


Há dias, na nossa vida encenada, que parecem citações de grandes obras. Palavras ficcionadas sinónimas de realidades vividas.

O dia foi de um Outono que resiste à despedida das cores do Verão. O Sol imperou, magnânimo, num espelho de céu azul. A agitação das pessoas anónimas, na azáfama do dia-a-dia, vestiu-se com as tonalidades fortes e claras. Dia quase perfeito para o ressurgir de alegrias e vontades inexplicáveis... a minha era simples: citar!

Dessa obra intemporal, dessa aventura sem idades, pela imaginação de Saint-Exupéry: " - O que torna o deserto bonito - disse o principezinho - é ter um poço escondido em qualquer lado..."

Há dias assim... no meio de um deserto de ideias... no avistar de uma imensidão de nada... na aridez de sentimentos... no ermo arenoso de valores... é fundamental crer que existe um qualquer "poço"!

O meu, hoje, estava escondido na sala 20. O texto era apelativo... porque cheio de registos familiares da nossa querida língua. Nada dificultava a compreensão, nem aquela intrusa palavra - "promiscuidades" - cujo sentido se tirava pelo contexto. Inocente ilusão. A "encenadora" gosta de complicar.

O arranque de ideias começou devagarinho... como quem segura o saca-rolhas, sem exercer a força necessária para entranhar a cortiça. Mas o objectivo era destapar o gargalo, fazê-lo soar num grito de libertação.
Conclusão de uma aula: o deserto é mesmo bonito! No "poço" dos meus lindinhos, matei um pouco da minha sede.

11 comentários:

Nilson Barcelli disse...

No fundo, há sempre um poço de água em qualquer deserto.
Há coisas que achamos feias porque não temos a capacidade de vislumbrar os seus poços...
Gosto de beber nos teus poços... isto é, nos teus posts... dão sempre para reflectir... és um poço de temas... uma mina, diria até...
Beijinhos

Paulo disse...

Descobrir um poço no meio de um deserto deve ser uma sensação incrível... tal como o Nilson do comentário anterior, também gosto de beber no teu poço...

Bjo enorme.
PJB

Paola disse...

É exactamente por isso, por haver um poço escondido, que o deserto é admirável... E é nestes momentos que descobrimos que, mesmo em espaços inóspitos, há sempre uma flor que sacia a sua sede.

Bjos

Vivian disse...

...o que seria desta imensidão
de mundo sem que soubessemos
que em algum lugar existe um poço
a saciar nossos desejos.

no campo das emoções existe
o poço chamado Teatrices.

bjs, linda!

Anónimo disse...

Até nas palavras és eficaz! Poucas mas todas carregadas de sentido...
Se os governantes do Mundo tivessem essa eficácia ao nível do que fazem nunca a banalidade atingiria a palavra "crise".
O teu poço é inesgotável e cada gota é saciante. É bom ter sede...
Beijo Emília

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Há sempre um poço, há sempre um poço... Esse seu texto é um poço. E agora resolvi retomar os meus poços: poemas que escrevo desde os meus 10 anos. Hoje fiz postagem nova e gostaria que você fosse, pois se gostou do meu soneto de ontem, há de gostar do de hoje. Também sou um poço de idéias, mas no momento na dá para puxar o balde. Fico nas cercanias, no acessível, não me aprofundo.
Estou à sua espera, minha amiga.
Um beijo,
Renata

Emerson Monteiro disse...

Tempos estes em que se conhece pessoas sem sair de casa. E saber que somos tão semelhantes...
www.emersonmonteiro.blogspot.com

Paulo disse...

Amiga,
hoje falo-te da boa música que se ouve por aqui... já sabes que os Depeche vêm aqui ao Porto? Vamos?
Beijos e bom resto de sábado.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Olá minha querida Amiga!

Creio que não é preciso dar informações porque nos temoc correspondido e, sobretudo, compreendido. Mesmo assim, umas dicas...

Cá estamos. Desta vez, creio que sem problemas. Mas, quem sabe? Tive um ror de chatices com o Google, o Gmail, uma data de porras! Mas, aparentemente os imbróglios estão ultrapassados. Assim seja. De qualquer forma – mudei tudo uma vez mais. Por isso, regista, por favor:

hantferreira@gmail.com

www.aminhatravessadoferreira.blogspot.com

Espero que seja esta a versão definitiva deste meu (e teu) blogue. Já bastou o que bastou. Apenas deixo aqui um propósito: continuar o que já tinha(mos) feito e, da minha parte, tudo fazer para que ele seja ainda melhor do que os anteriores, «mortos em combate»…

Vem aqui, como já o fizeste nos dois outros «definitivelmente» falecidos na generalidade e na especialidade (RIP). Deixa comentários, escreve, colabora, manda fotos – insulta-me se assim o entenderes. Os gordos têm costas largas… Fico à tua espera, com esperança qb e uma pitada de ansiedade. Sal & pimenta & coentros à vontade do freguês. Bem-vinda

@@@@@@@@@@

…E ATENÇÃO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

NOVO CONCURSO

… E QUANTO A VOLUMES

Gente boa*

Aqui está um novo concurso, o primeiro deste blogue. Herança do falecidos anteriores (RIP), é mais uma iniciativa do Sorumbático (http://sorumbatico.blogspot.com), agora acompanhado pelo A Minha Travessa do Ferreira (http://aminhatravessadoferreira.blogspot.com). Este passatempo tem como prémio um exemplar do livro cuja capa e contracapa aqui se vêem.

O desafio consiste em, até às 24:00 horas do dia 14 (terça-feira), tentar adivinhar qual o volume do livro (em centímetros cúbicos).

NOTA: a obra faz parte de uma oferta da editora Occidentalis ao Sorumbático, onde dois exemplares já foram sorteados; este é o 3.º, e é reencaminhado para aqui.

______
*Desculpa-me se me enganei…

sp disse...

fico assim a escutar a música e a inventar palavras juntas verdes e azuis...

um bjinho assim*

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Querida:
Vim aqui dizer-lhe que voltei a escrever sobre filmes.
Um beijo do Brasil,
Renata