Há palavras...

(Rubiães - foto de GMV)

Há palavras que nunca escreverei.

Não porque não me sejam imprescindíveis, mas porque não são fáceis de decifrar. Há quem diga que se deve medir as palavras... Devo, então, preocupar-me com a extensão do seu significado? Existe ainda quem seja apologista de cortar a palavra... Devo, então, tornar-me talhante da minha língua?

Há palavras que nunca escreverei.

Não porque não goste delas, mas porque transportam em si um duplo sentido. Carecem de mais palavras. São possessivas de outras denotações. Cansam de tanto se tentarem explicar. Devo, então, riscá-las do meu dicionário?

Há palavras que não poderei escrever.

Por não saber o que fazer com elas. Por recear a grandeza do seu sentimento. Pela perfeição com que narram o meu sentir.

Há palavras que não quero escrever.

Porque ironicamente espelham o texto que sou. Porque deduzem o meu pensar. Porque sintacticamente se organizam para me moldar.

Neste fim de dia, pintado da cor que gosto, molhado pela chuva que me encanta, há palavras que me fogem... e só penso que não me apetece correr.

Amanhã, talvez as procure e as guarde dentro de mim. Mas não as escreverei!

6 comentários:

Paola disse...

E eu só sei que não me apetece correr. Queria pegar num saco cheio de palavras e zás!

Beijinhos

Carlo Rochas disse...

Querida Amiga,

Nestes momentos de racionalização e de pragmatismos, segregamos as palavras, tal como nos proibimos muito mais. Nada melhor do que desligar do receio ao escrever o que menos desejaríamos escrever. Já que nada ou pouco fazemos, pelo menos, pensamo-lo. Gritamo-lo e sentimo-lo. Continuo por aguardar pelas suas trezentas páginas cheias de talento e prontas a libertarem-se, a contradizerem-se e a soltarem as suas contrariedades.

Beijo e um fim de semana, que seja o mais fértil possível. Pois, não distingo os dias das noites, as segundas do domingo, enfim, não tenho o receio do dia seguinte. Apenas o momento.

Paulo disse...

Há palavras que tu escreves muito bem. Beijo
PJB

O Profeta disse...

Há palavras que não precisam ser ditas....


Doce beijo

L. disse...

E há aquelas que ferem, e as outras que acariciam. Continue a dar-nos as suas palavras.

Carlo Rochas disse...

Uma serena noite...