Ensaio sobre a alegria...

(Formariz - foto de Duarte)

O palco era o de sempre. Dez e quarenta e cinco. Ao longe, distinguiam-se gargalhadas cristalinas, de quem não tem preocupações, de quem faz de cada pequena coisa um universo de sentires.

Eu caminhava apressada, por um dos pátios da Escola. De repente, vindo do nada, um grupo de alunos pululava em meu redor. Sorriam, com aquele sorriso que ilumina o olhar. Tentavam traçar no meu caminho um novo destino.

"Por favor, Professora, tem de ser hoje..."
"Ó stora, não é para aí..."
"Quando começamos? Diga lá!"

O imperativo não ordenava, deixava perpassar um pedido sentido. Tive de rir. (Mas sem esquecer as minhas preocupações!)

"Vocês parecem um rebanho, de ovelhas saltitantes, em torno do pastor." . Comentei.

Resposta: "Até isso eu faço, se for preciso.", lançou uma das miúdas, provocando o riso colectivo.

Falavam do Teatro. Não são meus alunos... só me conhecem como Encenadora dos seus tempos livres. Como criadora das personagens que gostam de vestir. Como a companheira de estreias, em que atenuam a sua timidez, em que se sentem, por breves momentos, protagonistas, numa vida raiada de indiferença. São os meus Aprendizes do Fingir.

O Teatro. Queriam recomeçar os ensaios. Conhecer o texto. Pisar o palco. Despir-se de vergonhas adolescentes.

A cena, se vista de longe, devia provocar alguns sorrisos. Eu continuava a minha marcha, pautada pela obrigação de uma burocracia assinada ao minuto. Eles acompanhavam-me, pulando, falando, questionando, rindo...

"Começamos para a semana!" disparei rapidamente, antes de entrar no edifício central.

E foi nesse momento, que, sem saber porquê, me veio à memória uma frase de Rubem Alves, sobre o que um professor deveria responder, se questionado sobre a sua profissão: " Sou um pastor da alegria...".

Dez e cinquenta. Fui assinar. Atrasada, bem sei. Mas com a consciência tranquila de quem gosta de "pastar".

7 comentários:

sp disse...

gmv,

gosto das tuas "histórias".
gosto da mensagem que vive por de trás do que não dizes...

um beijinho*

Anónimo disse...

Sempre boa a música, sempre tuas as palavras.
Até amanhã.
PJB

Paola disse...

" Sou um pastor da alegria..." E penso no prazer retirado de situações análogas à que referes... E que saudades, Deus meu! Tenho esses momentos cada vez mais abafados pelos outros...Há outras vozes que se sobrepõem!

Beijo

O Profeta disse...

Continuas a merecer o meu aplauso...de pé...


Doce beijo

Anónimo disse...

Esses são os momentos que equilibram a diversidade de sentimentos destes tempos conturbados entre o ser e o não ser, ter e não ter. Porque a alegria é contagiante e forma um escudo impenetrável a outros sentires menos desejados, talvez este ano consigamos ser professoras felizes.

Beijo
Emília

Vivian disse...

...a alegria contagia, não tem jeito, não tem como disfarçá-la quando dela somos reféns...quem dera o mundo fosse pautado no palco da alegria...não haveria mais necessidade de médicos, psicólogos, igrejas, templos, sinagogas, auto-ajudas enfim...lindíssimo este teu espaço...graças à Deus cheguei até ele e me encantei...deixo bjs desde o Brasil...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Graça:
É aniversário da Bruninha, minha sobrinha e afilhada, ela faz 11 anos, mas não terá festa, pois o seu pai, meu irmão, teve um infarto e está hospitalizado. Venha para a sua festa. Há de comer e de beber também para adultos.
Bjs,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com