13 de Junho de 1888...



Se sou alegre ou sou triste?...
Francamente, não o sei.
A tristeza em que consiste?
Da alegria o que farei?

Não sou alegre nem triste.
Verdade, não sei que sou.
Sou qualquer alma que existe
E sinto o que Deus fadou.

Afinal, alegre ou triste?
Pensar nunca tem bom fim...
Minha tristeza consiste
Em não saber bem de mim...
Mas a alegria é assim...

O poema é do Mestre. Desse ser magnífico nascido no dia 13 de Junho. Hoje é dia de Santo António. Lisboa marcha com cheiro de sardinha assada. Para todos, é dia do santo que abençoa casamentos. Para alguns, é feriado. Para mim, é o dia de Fernando Pessoa.

Faz hoje 120 anos que nasceu essa figura universal. Português. Lisboeta. Esquecido, enfim. Provavelmente, hoje será recordado em alguns pontos do nosso frágil Mundo. Será lembrado pelas suas palavras, libertando beleza a cada sílaba. Será, talvez, homenageado com documentários televisivos em línguas vivas, mas estrangeiras.

No seu país? No meu país? Falar-se-á talvez do treino à porta fechada, na abertura dos telejornais. Falar-se-á do provável seleccionador, agora que o brasileiro decidiu com o coração recheado de libras. Falar-se-á de camionistas, de combustível, dos resultados do referendo da Irlanda, da ressaca da sangria bebida em copos sujos pelos bairros de Lisboa.

Não sei se alguém irá avivar a memória com um poema de Pessoa.

A minha está repleta deles. Dos poemas que ficam bem em qualquer momento da minha simples vida. No palco da existência, já fui acompanhada por Pessoa nas mais variadas representações quotidianas. Fosse numa estrada deserta, na escuridão de uma noite, entre Vilar e Chaves; fosse no mar azul alentejano, entre uma onda e outra; fosse no silêncio do monte da Cividade, em pleno Alto Minho; fosse tão somente numa aula, porque, claro, sou Professora.

O poema, com que hoje componho o cenário do meu palco, é a prova da simplicidade da ideia, feita verdade pela poesia.

Hoje é dia de Santo António. Dia de manjericos. Dia de quadras populares. E quantas, sem que a multidão barulhenta o saiba, foram criadas pela imaginação daquele que nasceu neste dia, no longínquo ano de 1888?

Fica uma. Não como tributo ao Santo. Mas com todo o respeito ao Poeta.

Tenho vontade de ver-te
Mas não sei como acertar.
Passeias onde não ando,
Andas sem eu te encontrar.

4 comentários:

Paola disse...

Tenho um livrinho onde escrevo
Quando me esqueço de ti.
É um livro de capa negra
Onde 'inda nada escrevi.

Bjos

Anónimo disse...

Lá vai outra do Mestre, Paola:

Leve vem a onda leve
Que se estende a adormecer,
Breve vem a onda breve
Que nos ensina a esquecer.

Graça

Paulo disse...

Bem se o comentário é via quadra de Fernando Pessoa toma lá esta, mesmo com o nome ao contrário.
Tu és Maria da Graça
Mas a que graça é que vem
Ser essa graça a desgraça
de quem a graça não tem?
PJB

GMV disse...

Não resisti a responder ao Paulo também. Ainda do Mestre!

Vou trabalhando a peneira
E pensando assim assim.
Eu não nasci para freira.
Gosto que gostem de mim.

bjs