Nos bastidores...



Sem dúvida que hoje, e depois de dois dias de boa vida, só me posso reduzir à condição dos bastidores.

Estou embrenhada na elaboração dos testes para os meus lindinhos. Claro que a tarefa é quase mecânica, ao fim de tantos anos a produzir estes documentos formais que nos deveriam dar uma satisfação de aprendizagens apreendidas. Bem, resolvi, porque a mecânica também é criativa, pegar no Cavaleiro e iniciar mais uma demanda, sabe-se lá em busca do quê!

Por trás do palco, vim de fugida, espreitar os ensaios e "postar". O verbo existe, como devem saber, no grande dicionário da LP, e significa, abreviadamente, pôr alguém no poste. É isso, encostei-me, por breves momentos, ao poste e lembrei a noite de ontem...

A esse propósito, sinto que devia falar um pouco daquele nosso livro tantas vezes falado, tantas vezes! e nunca escrito. Memórias Ind(e)ocentes. São tantas as que nos unem. E o mais inexplicável é como, a cada memória recontada, sintamos a alegria do momento e acabemos sempre a chorar de tanto rir!

É bom ter memórias destas, é bom partilhá-las a cada encontro, é bom revivê-las no pormenor sempre acrescentado.

O livro ficará para outra altura, quando este grupo, por alguma razão desconhecida, dê o caso, das memórias acrescentadas, por encerrado. Ora, talvez por isso, anteveja um livro nunca publicado.

Até breve.

6 comentários:

Paola disse...

A vida, a ocasião, sei lá o que foi, fez-se com que escrevêssemos um livro colectivo. Com muitas palavras - somos férteis em dizê-las; com outras tantas imagens - somos exímias em construí-las; com bastantes lágrimas - somos magníficas em chorá-las; com estrondosas gargalhadas - somos ruidosas até nelas; com alguns silêncios - somos cúmplices mesmo caladas.Ontem desfolhámos, em conjunto, algumas das suas páginas. Não chegámos ao fim, não chegaremos... alguma de nós vai sobrar para o terminar... e então descobrirá as muitas páginas que não puderam ser escritas! Por falta de tempo, só por isso. Beijos

GMV disse...

Sem dúvida, só por falta de tempo!
Obrigada por fazeres parte da minha plateia.

célia disse...

Só mesmo por falta de tempo!Vontade, para partilhar algumas tristezas mas sobretudo muitas alegrias, não nos falta.Comigo podem sempre contar para ajudar a escrever este livro mas nunca, nunca para o terminar.

Manuela disse...

O LIVRO somos nós!
Memórias sentidas, divertidas, feitas de alegria e de tristezas transformadas em júbilo!
Porque somos professoras, por vontade,sabemos, melhor do que ninguém, perpetuar momentos vividos e saboreá-los em cada momento recordado!
Tempo? Temos todo!Sempre que estamos juntas. E há tantas maneiras de estarmos juntas!

Ana disse...

Foi no momento mais distante que nos aproximamos. Não quero mais estar longe, nem nunca mais o estarei. A vida é para ser vivida, sempre. Mesmo que nos encontremos distantes basta um pensamento, e acreditem que em mim eles são constantes, para que voltemos a estar juntas.

GMV disse...

O nosso ESTAR não tem sempre de ser físico.
Mas às vezes sabe bem...
Temos de ir escrever mais páginas!